Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Vídeo mostra chegada de 15.000 refugiados rohingyas em Bangladesh

Segundo a ONU, cerca de 582.000 refugiados fugiram de Mianmar para o país vizinho desde o final de agosto

Por Da redação 19 out 2017, 14h37

Um vídeo divulgado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR) mostra a chegada de uma multidão de refugiados rohingyas a Bangladesh. A crise da etnia em Mianmar já dura desde o final de agosto e, segundo o UNHCR, entre domingo e terça-feira desta semana, por volta de 10.000 a 15.000 pessoas fugiram para o país vizinho.

A ONU e outras organizações denunciaram a existência de uma campanha de limpeza étnica contra a minoria rohingya. A região é palco de uma forte onda de violência desde 25 de agosto, quando o Exército de Mianmar iniciou uma operação militar em resposta a ataques de um grupo rebelde formado por membros da comunidade muçulmana.

Desde então, segundo as Nações Unidas, por volta de 582.000 refugiados já fugiram para Bangladesh. Os deslocados durante a atual crise se somam aos cerca de 300.000 rohingyas que já estavam em Bangladesh anteriormente.

  • Myanmar não reconhece a cidadania do grupo étnico no país e os considera imigrantes bengalis, e há anos impõe a eles múltiplas restrições, inclusive a privação de deslocamentos. Os rohingyas são considerados hoje uma das minorias mais perseguidas do mundo.

    A Human Rights Watch (HRW) denunciou nesta semana a queima de aproximadamente 300 aldeias da minoria muçulmana no noroeste do país na última ofensiva do Exército. Muitos assassinatos aleatórios e estupros também foram reportados.

    A pressão sob a líder de Mianmar e ganhadora do Prêmio Nobel da paz, Aung San Suu Kyi, aumentou muito nas últimas semanas. Com grande dificuldade, a líder birmanesa tenta preservar um equilíbrio frágil com um Exército muito poderoso. Apesar de suas promessas sobre planos para o retorno dos refugiados ao seu país, tem tomado poucas ações concretas para solucionar a crise.

    (Com agências internacionais)

    Continua após a publicidade
    Publicidade