Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vídeo do EI mostra menino matando homem acusado de ser espião

Na gravação, terrorista fala francês e faz ameaças contra Israel

Por Da Redação - 10 Mar 2015, 20h42

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) divulgou um vídeo nesta terça-feira mostrando a execução de um árabe-israelense acusado de espionar para o Mossad, serviço secreto de Israel. Nas imagens, o homem é morto com um tiro disparado por um menino.

A gravação tem mais de 10 minutos de duração. Nesse tempo, o homem se apresenta como Muhammad Said Ismail Musallam, de 19 anos, e mostra um passaporte israelense. Ele aparece ajoelhado, vestindo uma roupa cor de laranja, assim como as usadas por reféns decapitados pelos jihadistas.

Leia também:

Jihadistas do EI degolam quatro homossexuais em praça pública

Continua após a publicidade

Estado Islâmico vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

Estado Islâmico arrasa patrimônio histórico de Hatra

O menino grita “Allahu Akbar” (“Deus é o maior”) antes de disparar contra a cabeça da vítima, que recebe outros quatro tiros quando já está caída no chão. Autoridades de segurança israelenses disseram à agência Reuters que tinham conhecimento do vídeo, mas não puderam confirmar a autenticidade do material.

Após a execução, um terrorista, falando em francês, menciona o recente ataque contra um mercado kosher na França, que terminou com quatro reféns mortos, ameaça atacar israelenses e ainda conquistar Jerusalém. O vídeo continua com uma lista de nomes e fotos de homens apontados como espiões de Israel.

Continua após a publicidade

Em fevereiro, Musallam, o pai de Muhammad Said Ismail, negou o envolvimento do filho com o Mossad. A declaração foi dada depois que a Dabiq, a revista online em inglês do EI, publicou um texto em que ele é apresentado como um jovem enviado à Síria pela agência de inteligência israelense.

O Estado Islâmico já havia divulgado um vídeo de propaganda mostrando uma criança matando a tiros homens que se identificaram como agentes russos com a missão de se aproximar de chefes do grupo jihadista. Em agosto do ano passado, uma foto foi publicada nas redes sociais mostrando um garoto segurando uma cabeça decapitada.

(Com agência France-Presse)

Publicidade