Clique e assine a partir de 8,90/mês

Veterano da Força Aérea americana vai responder por ajuda ao Estado Islâmico

Tairod Pugh tentou levar equipamentos para a Síria, mas foi barrado pelas autoridades turcas. Ele serviu na Força Aérea dos Estados Unidos de 1986 a 1990

Por Da Redação - 17 mar 2015, 17h31

Um veterano da Força Aérea americana foi acusado de tentar ajudar os terroristas do Estado Islâmico. A Justiça federal em Nova York indiciou Tairod Nathan Webster Pugh por tentar enviar material de apoio ao grupo e obstruir a Justiça.

Pugh, de 47 anos de idade, viajou para o Egito e a Turquia em janeiro, com o objetivo de cruzar a fronteira com a Síria, mas teve sua viagem interrompida pelas autoridades turcas que o obrigaram a voltar ao Egito. As autoridades egípcias detiveram o homem e o deportaram aos Estados Unidos, segundo a promotoria.

Leia também:

Mãe sequestra os dois filhos e se junta ao EI na Síria

Polícia turca detém jovens britânicos que iam se juntar ao Estado Islâmico

Continua após a publicidade

Ao chegar ao Egito, ele levava vários equipamentos eletrônicos e um celular com a foto de uma metralhadora. Nos EUA, agentes federais fizeram uma varredura no computador do suspeito e encontraram buscas recentes por informações sobre “fronteiras controladas pelo Estado Islâmico”, além de um vídeo de propaganda do grupo terrorista.

O veterano estava preso desde janeiro, mas o caso só foi divulgado nesta terça-feira. O advogado designado para o caso informou que ele deve alegar inocência em uma audiência nesta quarta.

Semanas antes de viajar ao Egito, Pugh foi demitido. Ele trabalhava como mecânico de aviões para uma companhia do Oriente Médio que não foi identificada. Aparentemente, ele estava nos radares das autoridades americanas já há algum tempo.

Uma queixa-crime apresentada na época de sua prisão afirma que, no período em que trabalhou como mecânico da American Airlines, um colega revelou ao FBI que o homem “simpatizava com Osama Bin Laden, achava que as explosões contra embaixadas americanas em 1998 eram justificadas e expressava um sentimento antiamericano”. Em 2002, ele teria manifestado interesse em ir para a Chechênia para lutar, aponta o documento.

Mesmo com essas indicações, de outubro de 2009 a março de 2010, Pugh trabalhou no Iraque para uma empresa que prestava serviços de eletrônica aplicada à aviação para o Exército americano. Ele serviu na Força Aérea de 1986 a 1990 e converteu-se ao islamismo no final dos anos 1990, quando foi morar no Texas.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade