Clique e assine a partir de 9,90/mês

Véspera de Natal é carregada de violência em Hong Kong

Ex-colônia britânica atravessa crise mais grave desde sua devolução à China, em 1997, com grandes manifestações pela manutenção das liberdades individuais

Por AFP - Atualizado em 24 dez 2019, 15h21 - Publicado em 24 dez 2019, 15h16

Violentos incidentes explodiram na noite de 24 de dezembro entre policiais do Batalhão de Choque e manifestantes pró-democracia em um shopping de Hong Kong, de acordo com informações da imprensa local.

Vários shoppings em Hong Kong têm sido palco de manifestações cada vez mais violentas desde o início, há seis meses, do movimento de protesto que abalou o território autônomo.

Os sites usados pelos ativistas mais radicais convocaram manifestações surpresa durante os períodos de Natal e de Ano Novo, especialmente em áreas comerciais.

Em resposta a esta convocação, centenas de ativistas vestidos de preto se reuniram em Harbor City, na terça-feira à noite, gritando palavras de ordem.

Continua após a publicidade

A situação se agravou quando os manifestantes descobriram policiais vestidos à paisana e começaram a lançar objetos nos agentes, que tentavam se desviar.

A polícia de choque intercedeu para dispersar os manifestantes com cassetetes e gás pimenta, enquanto os comerciantes fechavam suas lojas às pressas.

Incidentes similares aconteceram nesta terça à noite em pelo menos outros três lugares de Hong Kong, onde vive uma grande comunidade cristã e a noite de Natal é, tradicionalmente, muito animada em bares e outras lojas.

Este ano, porém, as autoridades decidiram suspender a tradicional transformação das artérias de maior movimento em ruas para pedestres, por temor de distúrbios.

Continua após a publicidade

Nos últimos meses, a ex-colônia britânica atravessou sua crise mais grave desde sua devolução à China, em 1997, com gigantescas manifestações pela manutenção das liberdades individuais.

No início de dezembro, uma multidão – 800.000 pessoas, segundo os organizadores, e 183.000, de acordo com a polícia) – marchou sem registro de grandes incidentes, e os organizadores do ato pediram autorização ao governo para repeti-la em 1º de janeiro.

O movimento nasceu em oposição a um projeto de lei destinado a autorizar extradições para a China continental.

O Executivo local pró-Pequim renunciou ao plano, mas os manifestantes ampliaram suas demandas, pedindo eleições livres e mais democracia.

Continua após a publicidade

O movimento teve um impacto no turismo, e a economia do centro financeiro entrou em recessão.

Publicidade