Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Venezuela: o racha atinge a base chavista

Os bairros mais pobres, que foram bastiões ideológicos de Hugo Chávez, esvaziam o apoio ao regime de Nicolás Maduro

Por Nathalia Watkins, de Caracas Atualizado em 10 dez 2018, 10h07 - Publicado em 22 jul 2017, 08h00

Durante a maior parte das cerca de duas décadas do experimento socialista na Venezuela, a parte leste da capital, Caracas, foi o epicentro da oposição. Os bairros pobres, tanto no leste quanto no oeste, eram bastiões ideológicos de Hugo Chávez e seu sucessor, o atual presidente Nicolás Maduro. Mas, agora, o descontentamento se prolifera no que já foi o pilar do “socialismo do século XXI”. Os supermercados não estão mais cheios de produtos a preços subsidiados e as redes de programas assistencialistas que ofereciam tratamentos médicos, educação e auxílios diretos, conhecida como missiones, foram esvaziadas.

Sem o carisma ou o dinheiro de seu predecessor, Maduro perdeu apoio nos setores populares que foram a base do chavismo. Atualmente, estima-se que o nível de popularidade do chefe de Estado esteja em torno de 15%, apenas alguns pontos mais elevada do que a do brasileiro Michel Temer. Na Venezuela, os apoiadores de Maduro são basicamente os que já não tem alternativa. “São três os perfis dos simpatizantes do governo. O primeiro representa uma minoria insignificante que honestamente acredita na orientação comunista do governo. O segundo inclui aqueles que serão perseguidos judicialmente pelos inúmeros delitos cometidos como corrupção ou narcotráfico caso o regime se desintegre. O terceiro e último grupo é composto pelos que ainda recebem alimentos ou moradias do governo”, diz o analista político Alfredo Keller, de Caracas.

  • Na favela de Petare, uma das maiores da América Latina, a dissidência é cada vez maior. “Sempre fui opositora e, até pouco tempo, era proibida de comprar em alguns mercados cujos donos eram chavistas e me hostilizavam. Isso não acontece mais”, diz Ramona Burguillos, de 52 anos, dirigente regional do partido Ação Democrática em Petare.

    No setor de San Blas, o último programa social foi suspendido há um ano e meio. Eram três refeitórios que alimentavam cerca de 250 pessoas cada um, diariamente. “Eu digo aos vizinhos chavistas que o governo não funciona e eles ficam sem argumentos para me convencer do contrário”, diz a auxiliar administrativa Katiuska Camargo, de 40 anos, que junta um grupo em Petare para ir aos protestos. Os cartazes são confeccionados com o papelão que traz as bolsas de comida, batizadas de Clap, sigla de Comitê Local de Abastecimento e Produção. Os pacotes são vendidos a preços subsidiados diretamente a conselhos comunitários, mas eles contêm cada vez menos produtos e chegam em menor quantidade.

    De acordo com um estudo da Universidade Católica Andres Bello (UCAB), 14% da classe E, 17% da classe D e 22% da C estão participando das manifestações. “Minha família tem medo de marchar, mas votará na oposição”, diz Hector Monterola, de 48 anos, que dá aulas de história em uma escola de Petare.

    Continua após a publicidade
    Publicidade