Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Venezuela: Maior produtor de alimentos fecha fábricas e diz que não há matéria-prima

'Não temos mais aveia, atum, a fábrica no Estado de Sucre não está produzindo, trabalhadores que estão em suas casas', disse o presidente da empresa Polar

Por Da Redação 4 fev 2016, 07h02

O presidente da Polar, a maior companhia privada de alimentos da Venezuela, Lorenzo Mendoza, declarou nesta quarta-feira que todas as empresas do setor alimentício atravessam uma situação crítica de abastecimento de matérias-primas. Mendoza, que nesta semana apresentou um plano para sair da grave crise econômica e de escassez de produtos alimentícios que assola a Venezuela, esclareceu que a empresa que dirige não recebe “nem um dólar” para comprar produtos no exterior – Na Venezuela, o acesso à moeda estrangeira é limitado pelo governo.

“Em algumas áreas estamos com os processos de produção paralisados, o tempo já se esgotou. Não temos mais aveia, atum, a fábrica no Estado de Sucre não está produzindo, ali estão afetadas mais de mil pessoas, trabalhadores que estão em suas casas, não há matéria-prima, isso é inconcebível”, lamentou. Mendoza ressaltou que, apesar de sua empresa ser apontada como a maior produtora de alimentos do país, a Polar não produz carne, frango, leite, café ou açúcar e que 50% da produção de farinha de milho, com a qual se preparam as populares arepas, está nas mãos do governo.

Leia também

Venezuela, quem diria, agora importa petróleo dos EUA

Parlamento venezuelano pode votar projeto para encurtar o mandato de Maduro

Continua após a publicidade

Maduro reconhece corrupção em órgãos públicos da Venezuela

O empresário afirma que o governo venezuelano privilegia a importação de produtos terminados ao invés de matéria-prima, sufocando as empresas privadas nacionais e comprometendo o abastecimento de alimentos do país. Mendoza reiterou que o monopólio das divisas está nas mãos do governo há 13 anos quando se iniciou o controle de câmbio e que, ao longo desse período, a Polar não pôde adquirir dólares necessários para importações. “Isso não é sustentável, é ridículo”, criticou.

Leia mais:

Supermercado estatal é o retrato da falência da Venezuela

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês