Clique e assine a partir de 9,90/mês

Venezuela inicia revisão de assinaturas para referendo contra Maduro

Lista com 1,85 milhão de nomes foi apresentada pela oposição para pedir revogação do mandato do atual presidente

Por Da Redação - 4 maio 2016, 12h44

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela iniciou nesta quarta-feira o processo de revisão das 1,85 milhão de assinaturas apresentadas pela oposição para pedir que se ative o referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro. A informação foi divulgada por Jesus Torrealba, secretário-executivo da Mesa da Unidade Democrática (MUD), uma coalização de partidos contrários ao governo atual.

O processo de revisão, que poderá ser concluído até o final desta semana, será realizado na presença de uma testemunha do partido do governo e uma da oposição. Torrealba disse ainda que, após a revisão, haverá uma verificação presencial das assinaturas, que terá duração de cinco dias, em que os signatários serão convocados em vários pontos do país para registrar sua impressão digital e ratificar suas rubricas.

Se 195.721 assinaturas forem validadas pelo Conselho Eleitoral, o que representa 1% do total dos 19,8 milhões de eleitores, a oposição poderá passar para outra fase do processo. Nela, será preciso a coleta de quase 4 milhões de rubricas para ativar formalmente o referendo revogatório.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Oposição da Venezuela apresentará nesta terça assinaturas para referendo contra Maduro

Preocupado com a Venezuela, papa Francisco envia carta para Maduro

Nicolás Maduro aumenta o salário, mas o efeito é nulo

Jesus Torrealba considera “tecnicamente viável” que o referendo ainda ocorra em 2016, embora alguns líderes do governo tenham dúvidas em relação essa possibilidade.

Continua após a publicidade

Maduro enfrenta o processo eleitoral em meio a uma grande crise econômica dominada pela inflação desenfreada, escassez severa de alimentos e medicamentos, falha no serviço elétrico e uma recessão econômica. O líder do governo venezuelano disse, na noite de terça-feira, que se submeterá ao referendo caso o CNE valide o processo para convocar a consulta.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade