Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Venezuela: escassez de remédios chega a níveis críticos

A dívida venezuelana com laboratórios farmacêuticos, que chega a 13,5 bilhões de reais, impede a normalização do abastecimento

O presidente da Federação Farmacêutica Venezuelana, Freddy Ceballos, afirmou que os atrasos no repasse de recursos para a importação de remédios estão prejudicando o tratamento de pacientes com doenças crônicas, especialmente aqueles que sofrem com doenças respiratórias, como a asma.

Leia também:

Promotor venezuelano diz que Maduro ordenou prisão de líder opositor

Maduro: Chavismo vive momento de ‘emergência’

Venezuela: promotor que chamou julgamento de López de farsa é destituído

Segundo o diário venezuelano Tal Cual, Ceballos explicou que a maioria dos inaladores comercializados no país são importados e que até o momento o governo mantém um dívida de 3,5 bilhões de dólares, aproximadamente 13,5 bilhões de reais, com laboratórios, o que tornou impossível a normalização do abastecimento.

“A situação é extremamente grave para doenças respiratórias ou qualquer outro caso que requer o uso de broncodilatadores”. Ceballos afirmou que durante este ano chegaram ao país alguns lotes destes produtos, mas advertiu que a oferta é insuficiente. Ele destacou ainda que, até que a dívida seja resolvida, os estoques permanecerão vazios. “Enquanto o Cencoex (Centro Nacional de Comercio Exterior venezuelano) não cumprir sua parte, a situação não poderá ser resolvida”, disse.

(Da redação)