Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Venezuela declara embaixador brasileiro ‘persona non grata’

Na última quinta-feira, o governo brasileiro emitiu uma nota oficial na qual repudiou as ações do regime de Nicolás Maduro contra a oposição

Por Da redação Atualizado em 23 dez 2017, 17h45 - Publicado em 23 dez 2017, 17h35

O embaixador do Brasil na Venezuela, Ruy Pereira, será declarado persona non grata pela Assembleia Nacional Constituinte do país, informou neste sábado a presidente do órgão, Delcy Rodríguez, à imprensa local.

Além de Pereira, o encarregado de negócios do Canadá no país, Craib Kowalik, também não foi considerado bem-vindo na Venezuela.

A ex-chanceler argumentou que, no caso brasileiro, a medida será mantida “até que se restitua o fio constitucional que o governo feriu” no Brasil. O Canadá foi incluído “por sua permanente, insistente, grosseira e vulgar intromissão nos assuntos internos da Venezuela”.

“Persistentemente fazem declarações, fazem uso do Twitter para querer dar ordens à Venezuela”, acrescentou sobre a diplomacia canadense no país a presidente da Assembleia Constituinte, órgão formado apenas por chavistas e que atualmente controla o poder no país.

Rodríguez comentou que nos dois casos, a Chancelaria venezuelana “fará e tramitará o conducente” para que seja iniciado o processo de persona non grata aos dois diplomatas.

Continua após a publicidade

Brasil e Canadá foram dois dos países que, em meados de agosto, expressaram apoio ao Parlamento venezuelano, de maioria opositora, e que se mostraram em desacordo com a formação da Assembleia Constituinte da Venezuela. No caso do Brasil, o governo venezuelano também afirma que o impeachment da presidente Dilma Rousseff no ano passado foi um golpe de Estado.

Na última quinta-feira, o governo brasileiro emitiu uma nota oficial na qual “repudia o continuado assédio do regime de Nicolás Maduro à oposição venezuelana” e condena a dissolução arbitrária de governos municipais e o impedimento de que partidos de oposição participem das eleições presidenciais de 2018.

“O Brasil insta o governo Maduro a reconhecer a gravidade do quadro humanitário e autorize a necessária ajuda internacional para fazer frente às carências que afligem a sociedade venezuelana, em particular em matéria de saúde e alimentação”, diz a nota divulgada pelo Itamaraty.

Decisões arbitrárias

A Assembleia Constituinte eliminou a prefeitura de Caracas, governada na última década pela oposição, na última quarta-feira, alegando que ele deixou de cumprir o papel para o qual foi criada. O órgão também suprimiu a prefeitura do Distrito Alto Apure, sob o controle de um dissidente do chavismo.

A Assembleia também determinou no mesmo dia que os partidos que boicotaram as eleições locais deste mês perderam sua legitimidade, o que pode eliminar os principais grupos de oposição da eleição presidencial de 2018.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)