Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Venezuela confirma recessão; inflação segue aumentando

Inflação oficial do país ultrapassou os 60% nos últimos doze meses e o Produto Interno Bruto caiu pelo terceiro trimestre consecutivo

Por Da Redação 31 dez 2014, 17h05

Com o país oficialmente em recessão e inflação altíssima, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nessa terça-feira um plano de recuperação econômica, que inclui um novo sistema de controle cambial, mais investimento social e cortes na despesa pública do país que entrou em recessão. Maduro disse que se colocará na frente de batalha para recuperar a economia venezuelana.

Horas antes do anúncio, o Banco Central da Venezuela divulgou os mais recentes dados da inflação e do Produto Interno Bruto (PIB). O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 63,6% nos últimos 12 meses, enquanto os dados do PIB – Produto Interno Bruto, que é a soma de riquezas produzidas pelo país – mostravam a entrada em recessão, uma vez que caiu por três trimestres consecutivos: no primeiro 4,8%, no segundo 4,9% e, no terceiro, 2,3%. O banco atribuiu “a elevação inflacionária” à onda de manifestações antigovernamentais no país. Maduro criou grande expectativa em relação ao anúncio de terça-feira, depois de na véspera ter informado que divulgaria dados do programa de recuperação da economia.

Leia também

Senado dos EUA aprova sanções contra Venezuela

Maduro agora acusa opositora de planejar matá-lo

ONU acusa Venezuela de torturar presos políticos

Esse plano contempla a criação de um organismo, que designou de “estado-maior” para a recuperação econômica, que ficará responsável por coordenar todos os esforços para a saída da crise e que começa a funcionar no sábado (3), no Palácio de Miraflores, sob a direção do próprio presidente. “Nesse dia começamos já com todos os mecanismos de supervisão e controle e verificaremos todos os detalhes”, disse o chefe de Estado venezuelano, em coletiva de imprensa.

“Vamos seguir em frente”, disse Maduro, explicando que o plano de recuperação econômica avançará em três momentos – em seis meses, em dois anos e em quatro anos – e terá impacto nas variáveis de crescimento, na “inflação induzida” e fará frente à queda do preço do petróleo que se situa abaixo dos US$ 47 por barril.

Ele insistiu que todos os problemas por que atravessa a economia venezuelana se devem a uma “guerra econômica” promovida por setores empresariais nacionais e internacionais, às quais se soma a queda dos preços do petróleo, fenômeno pelo qual responsabiliza os Estados Unidos. O governante pediu a todos os venezuelanos para entrar em 2015 “com vontade trabalhar, com esperança, com infinita força” e, apesar de reconhecer que será “um ano de luta”, apelou para que se acredite que será um período de “grande mudança do modelo econômico”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês