Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Varíola dos macacos: O que muda com estado de emergência nacional nos EUA

Um dos principais focos da doença no mundo, país já registrou 7 mil casos

Por Matheus Deccache 4 ago 2022, 18h01

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira, 4, um estado de emergência nacional de saúde por conta da varíola dos macacos. A declaração, que especialistas apontam como atrasada, muda o status do surto, que passará a representar uma ameaça significativa para os americanos e coloca em ação uma variedade de medidas para aliviar o número de casos. A Organização Mundial da Saúde já trata a doença como emergência mundial desde 23 de julho. 

Na prática, a mudança de direcionamento dá às agências federais o poder de direcionar dinheiro para o desenvolvimento e avaliação de vacinas e medicamentos, para acessar financiamento de emergência e contratar trabalhadores adicionais para ajudar a gerenciar o surto, que começou em maio.

O estado de emergência também permite às agências federais escapar de uma série de burocracias, a exemplo de como ocorreu com a pandemia do coronavírus. A mudança também dá aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças mais acesso às informações dos profissionais de saúde e dos estados. Normalmente, elas não podem obrigar os estados a compartilhar dados sobre casos ou vacinas.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está sob intensa pressão de ativistas e especialistas em saúde pública para agir de forma mais agressiva para combater o surto de varíola dos macacos, mas as principais autoridades federais de saúde até esta quinta-feira haviam resistido em declarar emergência.

No início desta semana, no entanto, o líder americano nomeou um oficial veterano de resposta a emergências e um respeitado especialista em doenças infecciosas para coordenar a resposta da Casa Branca, em um sinal de que o governo está intensificando seus esforços.

Continua após a publicidade

+ Califórnia declara estado de emergência por varíola dos macacos

Até então, os suprimentos da vacina contra a doença foram severamente restringidos e o governo foi criticado pela demora em expandir o número de doses. Uma eventual declaração de emergência nacional não irá aliviar a escassez, mas permitirá um acesso mais rápido e amplo de um dos medicamentos recomendados para o tratamento da varíola do macaco. 

Na última semana, os Estados Unidos registraram mais de 7.000 casos da doença, com as maiores taxas encontradas em Washington, Nova York e Geórgia. O vírus é transmitido principalmente durante o contato físico e a infecção raramente é fatal, mas pode ser muito dolorosa – até o momento não houve registro de mortes entre os americanos. No entanto, o país se tornou um dos maiores focos da doença e é provável que esse número aumente à medida que os testes melhorem. 

A situação tem levado a uma intensificação nos pedidos por uma ação maior para conter o surto. Recentemente, o deputado democrata da Califórnia, Adam Schiff, pediu ao governo Biden que intensifique a fabricação e distribuição de vacinas e desenvolva uma estratégia de longo prazo para combater o vírus.

Ao mesmo tempo, a senadora Patty Murray, democrata do estado de Washington, que lidera o comitê de saúde, pressionou o Departamento de Saúde e Serviços Humanos a fornecer um relato detalhado das medidas que está tomando para conter o surto. Além deles, ativistas da AIDS também vêm pressionando o governo por uma declaração de emergência há semanas. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)