Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Valas em Tikrit podem conter corpos de soldados vítimas do EI

Acredita-se que até 1.700 corpos possam estar enterrados no local, descoberto após a libertação da cidade iraquiana do dompinio do Estado Islâmico

Por Da Redação
7 abr 2015, 18h29

Valas comuns com centenas de corpos, provavelmente de soldados iraquianos, foram descobertas na recém-liberada cidade de Tikrit, que estava sob domínio dos jihadistas do Estado Islâmico (EI). Na segunda-feira, equipes forenses começaram a retirar os restos mortais das oito valas encontradas nos limites do palácio presidencial na cidade, onde as autoridades acreditam que ocorreu a maior parte dos assassinatos.

Os militantes do EI invadiram Tikrit em junho do ano passado e capturaram em torno de 1.700 soldados que estavam em um acampamento. Depois de violentos confrontos, as forças iraquianas e as milícias xiitas aliadas conseguiram retomar a cidade na semana passada. A reconquista teve ajuda de ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos, que não faziam inicialmente parte da operação.

Leia mais:

Centenas de jihadistas chegam a Mosul após derrota do EI em Tikrit

Continua após a publicidade

Exército iraquiano retoma controle total de Tikrit do Estado Islâmico

EUA lançam ataques aéreos para apoiar forças iraquianas contra o EI em Tikrit

Kamil Amin, do Ministério de Direitos Humanos do Iraque, disse à agência de notícias Associated Press que pelo menos 12 corpos foram exumados na segunda-feira. Os testes de laboratório serão realizados a partir do DNA que já foi colhido em cerca de 85% das famílias das vítimas. “O trabalho vai continuar e esperamos descobrir mais valas comuns em outras áreas”, disse Amin. Um dos massacres ocorreu na cidade de Mosul, onde morreram cerca de 600 presos xiitas que estavam cumprindo penas por diversos crimes, de assassinato a crimes não violentos.

Continua após a publicidade

O complexo do palácio presidencial de Tikrit, terra natal do ditador Saddam Hussein, foi transformado em quartel do grupo terrorista Estado Islâmico depois da ocupação da cidade. Um soldado ouvido pela rede de televisão americana CNN disse que sobreviveu ao massacre fingindo que estava morto. Segundo ele, os soldados eram levados ao complexo, separados em grupos, executados e enterrados nas valas.

O primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, informou que várias pessoas envolvidas nas mortes já foram capturadas. Famílias dos soldados desaparecidos vêm pedindo respostas do governo sobre o que aconteceu. Para al-Abadi, a resposta aos assassinatos deve passar longe da vingança.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.