Usina nuclear de Fukushima sofre nova explosão em reator | VEJA
Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Usina nuclear de Fukushima sofre nova explosão em reator

Apesar de acidente, índice de radiação fora da usina não ultrapassa limite de segurança

Por Da Redação 14 mar 2011, 00h54

A usina nuclear de Fukushima, localizada a 238 km de Tóquio, sofreu uma nova explosão de hidrogênio na manhã desta segunda-feira (horário local). Debilitado pelo terremoto e tsunami da última sexta-feira, o setor que abriga o reator três da usina entrou em colapso por volta das 11 horas da manhã e explodiu, pondo abaixo uma das paredes que o isolam do meio ambiente.

De acordo com o governo japonês, a nova explosão não danificou o reator e não provocou liberação de quantidades perigosas de radiação para a atmosfera. Logo após o acidente, o índice de radiação fora da usina estava em níveis normais. Apesar das declarações apaziguadoras do governo, o clima é de medo entre a população local e de desconfiança entre os países vizinhos – Cingapura, por exemplo, anunciou que examinará os índices radioativos de todos os produtos importados do Japão.

A explosão desta segunda-feira deixou onze funcionários feridos e fez com que o governo japonês emitisse novos alertas ao moradores da região, pedindo para que a população não saia de casa.

Veja abaixo o vídeo que mostra o momento da explosão no reator 3 da usina

Tragédia nuclear – Embora a devastação causada pelo terremoto e pelo tsunami que atingiram o Japão na sexta-feira sejam imensos, quer pela perda de vidas, quer pela destruição material, a sombra de uma catástrofe nuclear torna-se rapidamente a mais assustadora para um país em choque – e para seus vizinhos. Neste domingo, relatos de que um derretimento parcial do núcleo de dois reatores da usina nuclear de Fukushima começaram a circular pelo país. Esse poderia ser o prenúncio de uma nova explosão, o que de fato se tornou realidade na manhã da segunda-feira.

Continua após a publicidade
Imagem da televisão mostra reator 3 danificado após explosão.
Imagem da televisão mostra reator 3 danificado após explosão. VEJA

Segundo o centro de análise política e militar Straford, a Agência de Segurança Atômica e Industrial do Japão informou que a explosão de sábado na planta nuclear número 1 de Fukushima só poderia ter sido causada por um derretimento do núcleo do reator. O relatório, no entanto, contradiz as declarações de sábado do Chefe de Gabinete do governo, Yukio Edano, segundo o qual embora as paredes do prédio que continham o reator houvessem explodido, “o container de metal que encapsula o reator permaneceu intacto”.

Além dos problemas na planta que sofreu a explosão, as autoridades japonesas se mantêm em estado de alerta no acompanhamento de outras instalações nucleares, entre elas, uma usina localizada a cerca de 150 quilômetros de Tóquio, que, segundo o jornal Kyodo News, enfrentaria problemas no seu sistema de refrigeração.

Contaminação – O “derretimento nuclear” é o termo informal para um acidente de grandes proporções que danifica o núcleo de um reator nuclear por super aquecimento. O derretimento ocorre quando o sistema de segurança da usina não consegue resfriar o reator, então o combustível nuclear superaquece e derrete. O derretimento é considerado gravíssimo pelas autoridades internacionais porque pode causar o lançamento de materiais radioativos no meio ambiente.

De acordo com o porta voz do governo japonês, Yukio Edano, é possível que “derretimentos parciais” tenham acontecido e que os funcionários que tentam conter os vazamentos corram sério risco de serem contaminados com radiação. Sob a ameaça de novos vazamentos nucleares, o governo corre contra o tempo para impedir que explosões aconteçam, como ocorreu em Chernobyl, Ucrânia, há 25 anos. Além das três usinas que já apresentaram problemas no sistema de refrigeração dos reatores – Fukushima, Onagawa e Tokai – especialistas internacionais afirmam que o vazamento nuclear já aconteceu numa quarta usina.

Repercussão – Segundo o ex-ministro do meio ambiente da Alemanha, Sigmar Gabriel, a crise nuclear japonesa seria um prelúdio ao fim da era da energia atômica. “A política de expansão da energia nuclear não pode continuar”, diz em entrevista à revista alemã Der Spiegel. Para o político os riscos associados à energia nuclear não se justificam e o mundo deveria cessar o uso dessa tecnologia o mais rápido possível. “Estamos vendo de novo que os derretimentos não são parâmetros teóricos negligenciáveis”, avalia. “Pelo contrário, está provado que são ameaças concretas com riscos inimagináveis para a humanidade”.

Continua após a publicidade
Publicidade