Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Uruguai afirma que Brasil impôs Venezuela ao Mercosul

O ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, admitiu nesta segunda-feira que Montevidéu é contra a admissão da Venezuela, “nas atuais circunstâncias” como membro pleno do Mercosul, e afirmou que o Brasil impôs a decisão ao Bloco.

Na cúpula do Mercosul realizada em Mendoza, na sexta-feira passada, os presidentes do Bloco fixaram a data de 31 de julho para uma “reunião especial”, no Rio de Janeiro, para incorporar a Venezuela como membro pleno, após a suspensão do Paraguai pela destituição do presidente Fernando Lugo.

A entrada da Venezuela no Mercosul dependia da ratificação do Senado paraguaio, após sua aprovação pelos legislativos de Brasil, Argentina e Uruguai.

“Para nós este não era o momento (de aceitar a Venezuela) e nem as circunstâncias, e temos restrições jurídicas, políticas e éticas a este respeito, as quais manifestamos durante as negociações” entre os chanceleres em Mendoza, revelou Almagro.

“Nestes termos e nestas condições (…) fui claramente contra o que foi feito” em relação ao ingresso da Venezuela.

O chanceler destacou que o ingresso da Venezuela foi resolvido em um encontro privado entre os presidentes Dilma Rousseff, Cristina Kirchner (Argentina) e José Mujica (Uruguai), mas que a iniciativa foi fundamentalmente brasileira. O posicionamento do Brasil “foi decisivo nesta história”.

“Não sabemos qual foi o argumento do Brasil nesta história, o presidente (Mujica) não me contou”, disse Almagro, recordando que quando a presidente Kirchner anunciou o acordo sobre a Venezuela, ele se retirou da sala e Mujica cedeu seu lugar ao embaixador uruguaio na Argentina, Guillermo Pomi, para se sentar na segunda fila.

“Não estava de acordo com isto e sigo rejeitando esta decisão. Não estamos muito contentes”, destacou Almagro, que “tem as mesmas objeções sobre a legalidade do procedimento”.

“Vamos entregar isto aos serviços jurídicos do ministério para analisar novamente a legalidade desta medida. Para mim, a última palavra não foi dada sobre este tema. É preciso agir de acordo com o Tratado de Assunção e com a legislação vigente…”.

Finalmente, Almagro explicou que o Uruguai optou por não exercer seu poder de veto para não “bloquear a maioria”.

Os vários partidos da oposição uruguaia acusam Brasil, Argentina e Uruguai de aplicar um “golpe de Estado” no Mercosul ao decidir a suspensão do Paraguai e o ingresso da Venezuela.

O Mercosul foi constituído em 1991 pelo Tratado de Assunção entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.