Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Urnas são abertas no Irã para eleição presidencial

Mais de 50 milhões de eleitores estão aptos a votar para escolher o sucessor de Mahmoud Ahmadinejad. Segundo turno é provável e ocorrerá no dia 21

A votação presidencial no Irã teve início às 8 horas (0h30 em Brasília) desta sexta-feira, com mais de 50 milhões de eleitores, dois terços da população do país, sendo esperados nos locais de votação. A eleição vai determinar quem substituirá Mahmoud Ahmadinejad, cujo segundo mandato consecutivo – o limite permitido pela Constituição – termina em agosto.

Leia também:

Eleição presidencial apontará sucessor de Ahmadinejad

Também serão escolhidos 126.000 representantes nas eleições para os conselhos locais (tipo de câmara municipal). Pela primeira vez, elas ocorrem em conjunto com a escolha presidencial devido a um adiamento provocado pela decisão do Parlamento de aumentar os mandatos nos conselhos de quatro para sete anos. Mais de 60 000 centros eleitorais, com 130.000 urnas, foram instalados em todo o país para receber os votos de cidadãos maiores de 18 anos.

Dos oito candidatos a presidente inicialmente selecionados pelo Conselho de Guardiões, seis seguem na disputa – dois renunciaram em favor de outros nomes. Entre os candidatos que restaram, a maior parte é próxima ao líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei. Um candidato, Hassan Rohani é apoiado por reformistas, mas também é visto como uma figura do “establishment”.

Os candidatos linha-dura são o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional, Saeed Jalili; o assessor do aiatolá Khamenei, Ali Akbar Velayati; o prefeito de Teerã, Mohamad Bagher Qalibaf, e Mohsen Rezaei, secretário do Conselho do Discernimento, órgão de mediação entre o Parlamento e o Conselho de Guardiões – este último fiscaliza o cumprimento da lei islâmica.

Saiba mais:

Promotor argentino acusa Irã de infiltração terrorista na América do Sul

Investigação de atentado na Argentina aponta ramificações de rede terrorista no Brasil

Como candidato de consenso dos reformistas ficou Hassan Rohani, que espera conseguir votos suficientes para forçar uma segundo turno com um dos ultraconservadores, que estão divididos entre o ultraconservador Jalili, que seria o preferido de Khamenei, e Mohamad Bagher Qalibaf, prefeito de Teerã.

Vários canais de televisão e agências iranianas preveem segundo turno, que será realizado no dia 21 de junho se nenhum dos candidatos superar 50% dos votos. O resultado, porém, é imprevisível na prática pela falta de institutos de pesquisa confiáveis. Os números devem ser divulgados pelo Ministério do Interior em menos de 48 horas.

(Com agência EFE)