Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

União Europeia prepara novo plano antiterror

Um dia depois de atentado contra a revista 'Charlie Hebdo' em Paris, bloco anuncia que ministros vão debater a questão em reuniões nas próximas semanas

Por Da Redação 8 jan 2015, 13h56

Ministros de Relações Exteriores da União Europeia vão discutir a luta contra o terrorismo “em todas as suas formas”, após o ataque à redação da revista satírica francesa Charlie Hebdo, na quarta-feira, ter feito doze vítimas em Paris. Segundo a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, o assunto deverá ser adicionado à agenda da próxima reunião dos ministros, marcada para o dia 19. A Letônia, país que exerce a presidência rotativa do bloco, também vai incluir o tema em uma reunião informal no dia 28. Na próxima segunda-feira, o presidente do Parlamento Europeu deve mencionar o combate ao terrorismo em seu discurso de abertura.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que o bloco de apresentar um novo plano antiterror. “Sei por experiência que não se deve reagir no dia seguinte a uma tragédia, porque se comete o erro de ir longe demais ou ficar muito aquém, mas o que aconteceu em Paris nos interpela a apresentar um novo programa antiterrorista nas próximas semanas”, disse.

A União Europeia tem várias ferramentas de combate ao terrorismo, desde um serviço de compartilhamento de informações até mecanismos de financiamento do combate ao extremismo, informou a porta-voz da Comissão Europeia, Natasha Bertaud. “Nosso papel no combate ao terror é primariamente de apoio”, disse, lembrando que cerca de 2.500 integrantes do grupo terrorista Estado Islâmico podem ter origem europeia.

Combate ao terror – Os países da Europa, incluindo a França, já vêm tomando medidas para impedir a ação de radicais. O alerta foi disparado pelo avanço do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), que tem levado muitos jovens europeus a viajaram para Síria e Iraque para se unir aos jihadistas. Os governos agora agem para dificultar tanto a saída como o retorno de cidadãos que representem uma ameaça ao país.

Segundo autoridades da França, o número de pessoas dispostas a viajar para Síria e Iraque com o objetivo de se unir a facções radicais cresceu 80% no ano passado. Atualmente, estima-se que há mais de 1.100 franceses vinculados com redes jihadistas, sendo que 400 estão entre combatentes na Síria. Até o mês passado, 100 haviam voltado à França: desses, 76 foram enviados para a prisão e os demais são mantidos sob vigilância.

No mês passado, a polícia francesa prendeu mais de dez integrantes de uma rede que enviava jihadistas à Síria em operações realizadas em Toulouse, no sul do país, na Normandia, no oeste, e na região de Paris. A rede já teria enviado várias pessoas à Síria, sobretudo jovens franceses de famílias muçulmanas.

Britânicos – A Grã-Bretanha também vem endurecendo suas medidas antiterroristas contra os integrantes do grupo Estado Islâmico. Em novembro, o governo anunciou novas regras que inclui o confisco de passaportes de britânicos suspeitos de envolvimento com o terror.

Continua após a publicidade

As autoridades contabilizam mais de 750 prisões ligadas ao terrorismo em território britânico, sendo que 212 pessoas foram acusadas pela Justiça, 148 foram condenadas e 138 estão presas desde maio de 2010. Centenas de pessoas também foram expulsas da Grã-Bretanha, incluindo 84 clérigos extremistas.

Leia também:

Grã-Bretanha promete caçar assassinos do Estado Islâmico

Grã-Bretanha anuncia nova legislação antiterrorista

Bélgica – Na Bélgica, as autoridades acreditam que 400 pessoas já deixaram o país em direção ao Oriente Médio. Destes, aproximadamente 10% teriam ligações com o grupo terrorista Estado Islâmico. Mais de quarenta membros do Sharia para a Bélgica, grupo terrorista acusado de enviar dezenas de jovens para integrar as fileiras do jihadismo na Síria, estão sendo julgados, incluindo o filho de uma brasileira. As autoridades acreditam que a condenação em massa pode desencorajar outros jovens a se tornarem extremistas.

A Alemanha também passou a perseguir suspeitos de integrar o Estado Islâmico. Em novembro do ano passado, a polícia prendeu dois homens acusados de levar pessoas para se tornarem combatentes na Síria. A inteligência do país estima que pelo menos 450 pessoas deixaram a Alemanha para ir à Síria e cerca de 150 já voltaram. Muitos estão sendo criminalmente investigados.

A Dinamarca adotou uma posição diferente em relação aos combatentes que retornam ao país, lançando um programa de recuperação para os jihadistas. Com o objetivo de fazer com que os jovens abandonem o radicalismo, as autoridades de Aarhus passaram oferecer atendimento psicológico e auxilio para que os jovens voltem a estudar e procurar emprego.

(Com Estadão Conteúdo e agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade