Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

União Europeia diz que gás natural e energia nuclear são ‘energias verdes’

Ativistas do meio ambiente se revoltaram com a proposta e afirmarem que, caso seja aprovada, 'atrasará uma transição sustentável real'

Por Matheus Deccache Atualizado em 6 jul 2022, 17h16 - Publicado em 6 jul 2022, 17h14

A União Europeia votou nesta quarta-feira, 6, uma proposta que denomina o gás natural e a energia nuclear como fontes de energia “verdes” ou “sustentáveis”, apoiando uma proposta da Comissão Europeia, braço executivo do bloco, o que gerou críticas de cientistas e defensores do meio ambiente. 

As novas regras, que agora precisam ser aceitas pelos Estados-membros, podem liberar bilhões de dólares em investimentos privados e subsídios para projetos dessas fontes energéticas e começam a valer já em 2023. Para ser barrada, 20 dos 27 países precisam rejeitar a proposta, o que é improvável. 

+ União Europeia alerta para perigo de corte completo do gás russo

A Comissão Europeia argumenta que o gás natural – combustível fóssil feito principalmente de metano, fundamental nas mudanças climáticas – desempenha um importante papel na transição para a energia renovável, causando a revolta de ativistas climáticos e alguns legisladores. 

Normalmente, o gás natural emite menos dióxido de carbono do que o carvão, no entanto, cientistas apontam que o foco deve ser inteiramente no aumento de fontes de energias limpas, além do fato de que apoiar novos projetos de gás apenas prolongará a vida útil dos combustíveis fósseis. 

Já em relação à energia nuclear, o principal argumento de defesa é que ela não produz diretamente emissões de carbono, mas os argumentos contrários levantam preocupações a respeito da segurança, que inclui como armazenar os resíduos radioativos produzidos por ela. Além disso, as usinas nucleares são caras e frequentemente prejudicadas por atrasos.

Segundo Bas Eickhout, legislador holandês com assento no Parlamento Europeu, à rede CNN, chamar o gás natural de “sustentável” contradiz os apelos da União Europeia ao resto do mundo para descarbonizar suas economias o mais rápido possível. 

Continua após a publicidade

+ Na Europa, onda de calor antecipada pode intensificar incêndios

Embora a proposta tenha sido sugerida meses antes da guerra na Ucrânia, ela ganhou força principalmente pelo fato dos países do bloco serem altamente dependentes das fontes de energia da Rússia, proibidas após o início do conflito. 

A União Europeia prometeu reduzir as emissões em 55% em relação aos níveis de 1990 até 2030, e se tornar uma economia de carbono zero até 2050. Desse modo, toda a emissão de poluentes será drasticamente reduzida e as que permanecerem serão compensadas, seja usando métodos naturais como plantio de árvores ou tecnologia para capturá-las. 

A ativista sueca do meio ambiente, Greta Thunberg, disse por meio do Twitter que a decisão “atrasará uma transição sustentável real e desesperadamente necessária e aprofundará nossa dependência dos combustíveis russos”, completando que a “hipocrisia do bloco europeu é impressionante, mas não surpreendente”.

Grupos como o Greenpeace e a World Wildlife Federation já disseram que planejam ir à justiça contra a União Europeia por causa da nova política.

+ Portugal e Espanha sofrem maior seca em 1.200 anos, diz pesquisa

“Gás e energia nuclear não são verdes, e rotulá-los como tal é uma flagrante lavagem verde. Isso prejudica o clima e as gerações futuras”, disse a diretora do WWF na Europa, Ester Asin, em comunicado. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)