Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

UE quer acolher 20.000 imigrantes; mas alguns países terão opção de recusar

Grã-Bretanha, Irlanda e Dinamarca não aceitam receber refugiados. Pelas regras propostas pela UE, Alemanha, França e Itália ficariam com o maior número de pessoas

Por Da Redação 13 Maio 2015, 11h12

O órgão executivo da União Europeia (UE) propôs nesta quarta-feira o acolhimento de 20.000 refugiados ao longo de dois anos e a sua distribuição por toda a Europa, mas dando à Grã-Bretanha, Irlanda e Dinamarca a opção de não aceitar nenhum. Chocada com as mortes de imigrantes do norte de África que tentam chegar à Europa através do Mediterrâneo, a União Europeia está tentando pôr em prática uma forma mais justa de reassentar quem pleiteia asilo num momento em que os partidos anti-imigração estão em ascensão.

A Itália e outros países do sul da Europa estão clamando por ajuda da UE para lidar com o grande fluxo de imigrantes. Mas, enquanto a Itália, Alemanha e Áustria apoiam um sistema de quotas, alguns Estados do bloco se opõem. “Nenhum país deve ser deixado sozinho para enfrentar grandes pressões migratórias”, disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em sua conta no Twitter, depois que as propostas foram publicadas.

Leia também

UE pede à ONU aval para combater imigração ilegal

Menino é encontrado dentro de mala na fronteira da Espanha

Continua após a publicidade

O desafio da imigração na Europa: problema enorme para soluções pequenas

Com base em um regime de quotas estabelecido de acordo com a dimensão do país, a produção econômica e outras variáveis, a Alemanha ficaria com a maioria dos imigrantes, seguida pela França e Itália, e com a Grã-Bretanha com a opção de ficar de fora.

Horas antes de os planos serem revelados, a ministra britânica do Interior, Theresa May, criticou a abordagem da UE, dizendo que ao não enviar de volta os imigrantes com motivações econômicas, o bloco os está incentivando a viajar à região em busca de asilo.

Nesta segunda, a chefe da política externa da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou em Nova York que refugiados e imigrantes interceptados em alto mar “não serão enviados de volta contra sua vontade”. Federica participou de uma reunião no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para pleitear autorização para a Europa lançar uma operação militar contra os traficantes de seres humanos que operam no Mediterrâneo.

A diplomata disse a repórteres mais tarde que a UE está preparada para adotar algumas medidas antes que o Conselho de Segurança adote qualquer resolução autorizando a operação. Ela não disse que passos seriam esses. Há o temor entre alguns membros do Conselho de Segurança de que imigrantes sejam feridos, enviados de volta ou não recebam permissão para tentar uma vida melhor. “Ninguém está pensando em bombardear barcos com pessoas dentro”, disse Mogherini energicamente.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês