Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

UE prevê a chegada de 3 milhões de imigrantes entre 2015 e 2017

Segundo a ONU, serão 5.000 refugiados chegando à Europa todos os dias durante o inverno no hemisfério norte

A Comissão Europeia, órgão Executivo da União Europeia (UE), calcula que quase três milhões de pessoas chegarão à Europa entre 2015 e 2017, fugindo da guerra e da pobreza. A Comissão prevê a chegada de um milhão de refugiados em 2015, 1,5 milhão em 2016 e meio milhão em 2017. Caso todas as solicitações de asilo sejam aceitas, a população do bloco deve aumentar em 0,4%, com as novas chegadas. De acordo com as previsões econômicas do órgão, o fluxo pode resultar em pequenos ganhos econômicos para o bloco.

“Existirá um impacto sobre o crescimento econômico que poderia ser leve, mas positivo para a UE em seu conjunto, e aumentar o PIB em entre 0,2% e 0,3% em 2017”, disse o comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, em uma entrevista coletiva. A avaliação leva em consideração os gastos públicos, assim como o aporte da mão de obra adicional no mercado de trabalho.

Leia mais:

Mais refugiados cruzaram o Mediterrâneo em outubro do que nos nove primeiros meses de 2015

Chefe da diplomacia europeia diz que UE pode se ‘desintegrar’

Vídeo: Pescadores turcos resgatam bebê refugiado que sobreviveu a naufrágio

Também nesta quinta-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) previu que durante o inverno do hemisfério norte refugiados e imigrantes devem continuar a chegar à Europa em um ritmo que alcança os 5.000 por dia, via Turquia. A ONU também fez um apelo por mais fundos para evitar uma tragédia na Grécia e nos Bálcãs nos próximos meses.

Mais de 760.000 pessoas já cruzaram o mar Mediterrâneo este ano, a maioria rumo a Grécia e Itália, fugindo de guerras na Síria, no Afeganistão e no Iraque, além de conflitos na Eritreia e em outras partes da África. Mais crianças engrossam as fileiras de refugiados rumando para a Europa, e algumas famílias estão seguindo uma nova rota da Turquia para a Bulgária para evitar cruzar os mares revoltos que dão acesso à Grécia à medida que o inverno se instala, declarou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, na sigla em inglês).

(Da redação)