Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

UE denuncia Rússia por chantagem após corte de gás para Bulgária e Polônia

Moscou justificou os cortes pela falha dos dois países em pagar pela energia em rublos, como havia determinado unilateralmente

Por Da Redação 27 abr 2022, 08h58

A União Europeia acusou a Rússia de chantagem nesta quarta-feira, 27, depois que a gigante de energia Gazprom confirmou que interrompeu o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária.

Em comunicado, a empresa disse que os dois países não fizeram seus pagamentos pela energia em rublos, como havia determinado.

“A Gazprom suspendeu completamente o fornecimento de gás para Bulgargaz e PGNiG [empresas parceiras na Bulgária e Polônia, respectivamente] devido à ausência de pagamentos em rublos”, disse um comunicado divulgado pela empresa.

Vyacheslav Volodin, presidente da câmara baixa do parlamento russo, a Duma, disse que Moscou fará o mesmo com outros países “hostis”.

A Gazprom também disse que interromperia o transporte de gás que passa pela Polônia e Bulgária com direção a outros países, como a Alemanha, se detectasse uma diminuição dos volumes dos gasodutos.

“Bulgária e Polônia são estados de trânsito”, disse o comunicado da empresa. “No caso de retirada não autorizada de gás russo de volumes de trânsito para países terceiros, os suprimentos serão reduzidos proporcionalmente a esse volume.”

A consequência imediata do movimento da Gazprom foi um aumento de 20% no preço do gás no atacado, quase sete vezes maior do que um ano atrás.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, condenou a medida, dizendo que outros países da União Europeia apoiariam a Polônia e da Bulgária.

Continua após a publicidade

“É mais uma tentativa da Rússia de usar o gás como instrumento de chantagem”, afirmou von der Leyen. “Isso é injustificável e inaceitável. E mostra mais uma vez a falta de confiabilidade da Rússia como fornecedora de gás.”

Von der Leyen acrescentou que a União Europeia “está preparada para este cenário”, e conduz negociações com os seus estados membros e países de fora da Europa para garantir o fornecimento de energia. Além de buscar alternativas ao gás russo, foram elaborados planos para contingência e para aumentar os níveis de armazenamento.

“Os europeus podem confiar que estamos unidos e em total solidariedade com os estados membros impactados diante deste novo desafio. Os europeus podem contar com o nosso total apoio”, garantiu a presidente da Comissão Europeia.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, determinou em março que os países que eram “hostis” em relação à guerra na Ucrânia teriam que mudar seu método de pagamento pelo gás. A Comissão Europeia, no entanto, disse que as empresas devem continuar a pagar à Gazprom na moeda acordada em seus contratos – cerca de 97% dos quais são em euros ou dólares.

A empresa polonesa de gás PGNiG confirmou que o fornecimento havia parado. Em comunicado, a empresa disse que como o corte de gás é uma quebra de contrato, buscará compensação por meios contratuais e legais.

A Rússia fornece cerca de 55% da demanda anual da Polônia de cerca de 21 bilhões de metros cúbicos de gás, mas o país é muito mais dependente do carvão para a calefação das residências. O gás responde por apenas 9% da matriz energética polonesa.

Na Bulgária, 90% da necessidade energética de gás é suprida por importações russas. Mesmo assim, o governo insistiu que nenhuma restrição seria imposta aos cidadãos no momento.

“Enquanto eu for ministro e responsável por isso, a Bulgária não negociará sob pressão e de cabeça baixa. A Bulgária não cede e não é vendida a qualquer preço”, disse Alexander Nikolov, ministro da Energia da Bulgária.

O único líder da União Europeia que indicou que faria pagamentos em rublos à Gazprom é o húngaro Viktor Orbán, cujo governo de direita mantém um relacionamento próximo com o regime de Putin há mais de uma década.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)