Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

UE chega a acordo para reduzir 55% das emissões de carbono até 2030

Para especialista, meta não é suficiente para cumprir com o Acordo de Paris

Por Da Redação 21 abr 2021, 15h46

A União Europeia chegou a um acordo climático provisório nesta quarta-feira, 21, para a redução de pelo menos 55% nas emissões líquidas de gases do efeito estufa até 2030.

O acordo chega bem a tempo para uma cúpula de líderes mundiais organizada pelo governo dos Estados Unidos na quinta e sexta-feira, em que a UE e outras potências globais irão promover suas promessas de proteger o planeta.

A lei climática europeia norteará as regulamentações do bloco nas próximas décadas. Inclui uma meta de reduzir as emissões líquidas em pelo menos 55% até o final da década em relação aos níveis de 1990 – abaixo da meta de 60% buscada pelo Parlamento Europeu – para orientá-la a atingir zero emissões líquidas até 2050.

O novo objetivo de redução de 55% das emissões de carbono até 2030 foi descrito como uma “farsa” por grupos ambientais depois que foi acordado em Bruxelas.  Os ativistas verdes disseram que o corte deveria ser de 65%.

Wendel Trio, diretor da Climate Action Network (CAN) Europe, uma aliança de ONGs ambientais, disse: “A ‘meta de redução de emissões de pelo menos 55% para 2030’ não está de acordo com a ambição do acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura para 1,5 C até o final do século. ”

Trio disse que o alvo havia sido “levado às pressas pelos legisladores da UE para trazer algo para a cúpula dos líderes organizada pelos EUA”. “Definitivamente, este não é o tipo de lei climática que ajudará a UE a liderar os esforços globais para combater as mudanças climáticas”, disse ele.

Os eurodeputados, que pretendiam um corte de 60% até 2030, também não conseguiram aumentar significativamente as ambições das capitais da UE, apesar das afirmações na quarta-feira de que o bloco estava mostrando liderança global na emergência climática.

No início desta semana, o governo do Reino Unido disse que endureceria suas metas de emissões de gases de efeito estufa pelos próximos 15 anos, a primeira grande economia desenvolvida a fazê-lo. Seguindo as recomendações dos consultores estatutários do clima, o dióxido de carbono deve ser cortado no Reino Unido em 78% até 2035 em comparação com os níveis de 1990.

Biden, cujo primeiro ato como presidente foi restabelecer os EUA no acordo climático de Paris, presidirá uma cúpula virtual de 40 líderes mundiais na próxima quinta-feira, 22. Ele está sendo visto como um marco importante no caminho para a conferência sobre Mudança Climática da ONU em novembro em Glasgow.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês