Clique e assine a partir de 9,90/mês

UE anunciará em Mianmar concessão de ajuda para desenvolver país

Por Da Redação - 12 Feb 2012, 07h05

Bangcoc, 12 fev (EFE).- O comissário de Desenvolvimento da União Europeia (UE), Andris Piebalgs, chegou neste domingo a Mianmar, onde se reunirá com o presidente, o ex-general Thein Sein, e a principal líder da oposição, Aung Sang Suu Kyi, além de anunciar a concessão de uma série de ajudas ao país.

Piebalgs aterrissou neste domingo em Yangun, como confirmaram à Agência Efe fontes da instituição europeia, e deve viajar nesta segunda-feira a Nay Pyi Taw, capital do país, para se reunir com o Thein Sein e outros líderes birmaneses.

Esta será a primeira vez que um representante da UE se reúne com o atual presidente birmanês.

Na terça-feira, o comissário dará entrevista coletiva em Yangun, após encontro com a vencedora do prêmio nobel da paz e principal representante de Liga Nacional para a Democracia (LND), Aung Sang Suu Kyi.

Continua após a publicidade

A porta-voz de imprensa do organismo europeu na Tailândia, Kullwadee Sumalnop, confirmou a Efe que está previsto que Piebalgs anuncie antes de seu retorno a concessão de uma série de ajudas para o desenvolvimento de Mianmar, cuja quantia não foi adiantada.

Desde o início das reformas rumo à democracia no país, muitos foram os políticos e representantes de Estado de todo o mundo que viajaram a Mianmar para reunir-se com os dirigentes e líderes opositores.

A comunidade internacional aguarda a eleição de 1º de abril para avaliar o verdadeiro compromisso do atual Governo com as reformas democráticas, à espera de levantar, suavizar ou manter as sanções impostas a Mianmar.

Após quase cinco décadas governada por generais, a última Junta Militar foi dissolvida em 30 de março de 2011 e o poder repassado a um Governo civil, constituído um ano depois das eleições classificadas como pouco transparentes pelos Estados Unidos, Europa e a ONU.

Continua após a publicidade

O ex-general Thein Sein, primeiro-ministro no regime anterior, impulsiona um processo de reformas que permitiram a legalização da LND e a libertação de centenas de presos políticos.

Suu Kyi foi libertada em novembro de 2010, após passar quase 15 dos últimos 22 anos sob prisão domiciliar por pedir reformas democráticas. EFE

Publicidade