Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ucrânia condena mais dois soldados russos por crimes de guerra

Os militares são acusados de bombardear um centro educacional no leste da Ucrânia e ter civis como alvos; arrependidos, pediram redução da pena

Por Da Redação Atualizado em 26 Maio 2022, 12h42 - Publicado em 26 Maio 2022, 08h46

Mais dois soldados russos capturados pelas forças ucranianas se declararam culpados nesta quinta-feira, 26, em um julgamento por crimes de guerra. Eles são acusados de bombardear uma cidade no leste da Ucrânia.

No julgamento no tribunal distrital de Kotelevska, no centro da Ucrânia, promotores estaduais pediram que Alexander Bobikin e Alexander Ivanov fossem presos por 12 anos por violarem as leis da guerra.

Um advogado de defesa pediu clemência, dizendo que os dois soldados estavam apenas seguindo ordens e se arrependeram.

Bobikin e Ivanov, que ficaram presos em uma caixa de vidro reforçada no tribunal, reconheceram fazer parte de uma unidade de artilharia da região de Belgorod, na Rússia, que bombardeou alvos na região ucraniana de Kharkiv. O bombardeio destruiu um centro educacional na cidade de Derhachi, segundo os promotores.

+ ONU aponta para evidências crescentes de crimes de guerra na Ucrânia

Um dos militares era um motorista de armas de grande calibre, o outro, um operador dessas armas. O gabinete da procuradoria-geral disse que eles foram capturados depois de cruzar a fronteira e continuar o bombardeio.

Continua após a publicidade

“Sou completamente culpado dos crimes dos quais sou acusado. Disparamos da Rússia contra a Ucrânia”, disse Bobikin no julgamento, que foi transmitido ao vivo.

+ Artistas ucranianos criam ‘Casa dos Crimes de Guerra da Rússia’ em Davos

Enquanto isso, Ivanov pediu para não receber a pena máxima de prisão e disse: “Eu me arrependo e peço a redução da pena”.

A audiência durou menos de uma hora. O veredicto está previsto para 31 de maio.

Na segunda-feira 23, um tribunal ucraniano condenou outro soldado russo à prisão perpétua por matar um civil desarmado. A Rússia disse que não tinha informações sobre o julgamento e que a ausência de uma missão diplomática na Ucrânia limitava sua capacidade de prestar assistência.

+ Acusado de crimes de guerra, soldado russo pede ‘perdão’ à viúva de vítima

Muitos outros julgamentos desse tipo são esperados na Ucrânia e na Rússia, que nega ter civis como alvo ou qualquer envolvimento em crimes de guerra.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)