Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Ucrânia assina acordo de segurança com UE contra invasão da Rússia

Pacto fortalece apoio do bloco europeu a Kiev e estabelece compromissos que incluem entrega de novas armas e fornecimento de treinamento militar

Por Da Redação
Atualizado em 27 jun 2024, 12h54 - Publicado em 27 jun 2024, 12h07

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, assinou nesta quinta-feira, 27, três acordos de segurança com a União Europeia (UE) e dois de seus países membros, Lituânia e Estôniaestabelecendo nove compromissos do bloco europeu com Kiev nos setores de segurança e defesa, incluindo a entrega de novas armas e o fornecimento de treinamento militar, sobretudo para conter avanços da Rússia na guerra travada em solo ucraniano.

“Pela primeira vez, este acordo consagrará o compromisso dos 27 Estados-membros de oferecer amplo apoio à Ucrânia, independente de qualquer mudança institucional interna”, escreveu Zelensky em suas redes sociais. 

O pacto selado durante uma cúpula de dois dias em Bruxelas, assim como os documentos assinados com a Lituânia e a Estônia, complementa outros acordos semelhantes já existentes entre a UE e a Ucrânia, fortalecendo o apoio do bloco europeu ao país a longo prazo

O texto também define que, no caso de uma “futura agressão”, a UE e o governo ucraniano devem estar em contato em no máximo 24 horas para que seja possível “determinar rapidamente” as necessidades e os rumos do país a partir dos critérios previstos no acordo.

Continua após a publicidade

Não seria, contudo, um pacto de defesa mútua, como o selado entre as nações da Otan e entre Rússia e Coreia do Norte na semana passada, e apenas permitiria que Kiev torne sua segurança mais robusta frente a qualquer invasão futura, alertaram autoridades à agência de notícias Reuters. O projeto seguiria os passos dos Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha, que já firmaram tratos de defesa com a Ucrânia desde que o início da guerra contra a Rússia, em fevereiro de 2022.

Adesão à UE

O acordo foi assinado dois dias após a UE iniciar as negociações para a entrada da Ucrânia no bloco. O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, destacou nesta terça-feira, 25, que a abertura das tratativas abre as portas para uma “grande vitória compartilhada”. Ele afirmou, ainda, que a UE “significa muito mais do que um espaço físico” e representa “valores e um lar”.

O objetivo ucraniano de entrar para o bloco – e também para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar ocidental liderada pelos Estados Unidos – faz parte formalmente da constituição da Ucrânia desde 2019. No entanto, a tentativa de fazer parte da aliança militar acarretou na invasão russa à Ucrânia em fevereiro de 2022, com o objetivo declarado de impedir que o grupo se aproximasse das fronteiras da Rússia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.