Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Twitter e YouTube são bloqueados; promotor pede banimento de mídias sociais

Não é a primeira vez que o país restringe o acesso às redes sociais. O bloqueio aconteceu após imagens de um promotor sequestrado em Istambul circularem na internet

Por Da Redação 6 abr 2015, 10h22

O acesso ao Twitter e ao YouTube foram bloqueados na Turquia nesta segunda-feira por uma decisão judicial baseada em “queixas de indivíduos”, segundo uma fonte do setor de telecomunicações do país. O bloqueio, constatado por agências de notícias internacionais, aconteceu após a circulação em redes sociais de imagens do incidente envolvendo a morte de um promotor na semana passada.

A Turquia bloqueou temporariamente o Twitter e o YouTube pouco antes das eleições locais em março de 2014, depois que gravações de áudio que mostravam corrupção no círculo próximo ao então primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan foram vazados nos sites. A decisão causou grande tumulto entre o público e atraiu duras críticas internacionais. O órgão regulador de telecomunicações da Turquia não pôde ser contatado de imediato para comentar a medida desta segunda-feira, e não havia comunicado em seu website.

Leia também

Após morte de promotor, polícia turca prende 22 radicais esquerdistas

Erdogan amplia poder da polícia e oposição teme aumento da repressão

Ex-Miss Turquia pode ir para a cadeia por criticar o presidente

Os bloqueios acontecem menos de uma semana após um promotor de Istambul ter sido morto depois que forças de segurança invadiram o escritório onde membros de um grupo de extrema esquerda o haviam feito refém. Segundo diversos jornais turcos, os bloqueios surgiram após fotos do promotor sendo mantido sob mira de uma arma terem circulado nas mídias sociais enquanto o cerco estava em andamento.

Um porta-voz da Presidência da Turquia disse também nesta segunda-feira que um promotor turco está buscando a proibição de sites de mídia social após a publicação das imagens na semana passada de um colega seu sendo mantido refém. A Turquia entrou com cinco vezes mais pedidos de remoção de conteúdo junto ao Twitter do que qualquer outro país na segunda metade de 2014, segundo dados publicados em fevereiro pelo site de microblog. No ano passado, a Turquia endureceu leis que permitem que sites sejam bloqueados pelas autoridades mais facilmente.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês