Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

TV chavista sugere que Colômbia e Farc concordaram em negociar paz

A rede de TV Telesur, controlada pelo governo esquerdista do ditador Hugo Chávez, publicou em seu site, nesta segunda-feira, que o governo da Colômbia e os rebeldes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) firmaram um acordo em Cuba para iniciar os diálogos de paz. O governo colombiano não comentou o caso. A informação também não consta do site em que a guerrilha costuma fazer anúncios.

As Farc, de fato, têm demonstrado a intenção de negociar o fim de suas ações criminosas, que há cinco décadas assolam o país. Mas, em relação ao acordo anunciado pela rede de televisão chavista, há de se ter cautela: a Telesur é conhecida por requentar informações e divulgar dados incorretos, como quando anunciou que a Bolívia havia expulsado a Coca-Cola do país.

Leia também:

Leia também: E-mail das Farc ameaça presidente da Colômbia de morte

Segundo a Telesur, o processo que levou ao acordo anunciado hoje começou em maio, quando as duas partes teriam iniciado ‘conversas secretas’ em Havana, com apoio dos governos de Cuba, Venezuela e Noruega. Ainda conforme a TV ligada ao tirano venezuelano, a mesa de negociação deve ser formalizada em outubro.

Em abril, as Farc libertaram os últimos dez policiais e militares que eram mantidos reféns. Mas o grupo terrorista ainda tem em seu poder cerca de 400 civis. A libertação de todos os sequestrados é uma das exigências do presidente Juan Manuel Santos para efetivar as negociações de paz com as Farc.

Algo que corrobora a informação divulgada pela Telesur é uma nota publicada pela Reuters após a notícia ser veiculada pela rede: segundo a agência, uma fonte do alto escalão da inteligência colombiana afirmou que negociações devem começar ‘em breve’, em Cuba ou na Noruega. No entanto, ainda é cedo para afirmar que os terroristas deram, realmente, um passo importante para abandonar as armas. A notícia pode ser apenas mais um golpe de publicidade de Hugo Chávez – pesquisa recente mostra que o tirano pode perder o poder para Henrique Capriles nas eleições de outubro.