Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Turquia minimiza derrubada de caça pela Síria

O presidente da Turquia confirmou que entrou em contato com Damasco e que as autoridades sírias participam da busca dos dois pilotos do caça turco

A Turquia minimizou neste sábado a perda de um avião de guerra para as forças de defesa sírias, enquanto o presidente sírio, Bashar al-Assad, anunciava um novo governo, mantendo postos-chave, e 40 pessoas morriam em episódios de violência na Síria.

Membro da Otan, a Turquia indicou neste sábado que um de seus jatos pode ter violado o espaço aéreo sírio, depois que Damasco confirmou ter abatido um caça F-4 Phantom. O comentário foi visto como uma tentativa de esfriar o desentendimento entre os ex-aliados.

O presidente turco, Abdullah Gul, disse que não é incomum aviões de guerra que voam em alta velocidade cruzarem fronteiras marítimas, afirmando que isto não acontece de forma intencional. As forças navais dos dois países buscam os dois tripulantes desaparecidos.

Ministros turcos discutiram os próximos passos, disse um diplomata, depois que o primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan, informou que a Turquia “irá anunciar sua posição final e tomar medidas necessárias, com determinação, após o incidente ter sido totalmente esclarecido.”

A relação entre Turquia e Síria já havia sido estremecida pela condenação de Erdogan à reação sangrenta do governo de Assad, que, segundo ativistas dos direitos humanos, já matou mais de 15.000 pessoas desde março do ano passado.

O ataque ao F-4 é o incidente mais sério entre os dois países desde então, mas o vice-premier turco, Bulent Arinc, minimizou a tensão. “Devemos manter a calma. Sim, concordamos que este é um tema crítico, mas não temos informações claras”, disse à agência de notícias Anatolia, assinalando que o resultado da investigação será divulgado “o mais cedo possível”.

A Turquia já recebeu mais de 30.000 refugiados do conflito sírio, segundo sua chancelaria, e também abriga desertores do Exército, entre eles 12 generais.

Novo governo – Assad anunciou a formação de um novo governo, com as pastas-chave de Relações Exteriores, Defesa e Interior inalteradas, enquanto a violência continuava no país. O anúncio foi feito menos de dois meses depois de eleições parlamentares polêmicas terem sido boicotadas pela oposição. “O presidente emitiu o Decreto 210, formando um novo governo, liderado pelo premier Riad Hijab,” anunciou a TV estatal.

O chanceler Walid al-Muallem permanecerá no cargo, assim como os ministros de Defesa e Interior, Daoud Rajha e Mohammad al-Shaar, respectivamente. Rajha, no posto desde agosto passado, está entre os punidos pelos Estados Unidos por seu papel no combate aos manifestantes sírios.

O novo gabinete, de 34 membros, assume o poder em meio a um aumento da repressão e dos confrontos, que, na semana passada, levaram à paralisação da missão de observadores da ONU.

Quarenta mortos – Quarenta pessoas morreram neste sábado em episódios de violência na Síria, a maioria vítima de forças do regime, que atacaram redutos rebeldes em várias áreas. Os feridos incluem 10 soldados que tentaram desertar na província de Damasco, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

O jornal britânico Guardian publicou neste sábado uma reportagem afirmando que a Arábia Saudita irá pagar os salários do rebelde Exército Livre da Síria, para incentivar deserções em massa entre as forças de Assad.

(Com Agência EFE e France Presse)