Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Turquia: jornalistas são presos por colaboração com PKK

Milhares de intelectuais e ativistas já foram detidos antes pelo mesmo motivo

Por Da Redação 20 dez 2011, 08h36

A polícia turca prendeu nesta terça-feira ao menos 35 pessoas, a maioria jornalistas, em uma nova onda de detenções contra a União de Comunidades do Curdistão (KCK), considerada como a “rede urbana” do grupo armado Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Segundo a edição digital do jornal Hürriyet, os detidos são acusados de serem membros do comitê de cultura e imprensa do KCK. “As operações começaram simultaneamente nesta madrugada e a polícia revistou casas e escritórios, que ainda estão sendo inspecionados”, disse Ibrahim Aydin, redator-chefe do jornal de esquerda BirGün.

Aydin acrescentou que a polícia deteve duas colaboradoras do jornal, sendo que uma delas, Zeynep Kuray, foi presa em sua casa e ainda não há informações sobre o motivo, embora a maioria dos jornalistas detidos trabalhe na imprensa curda. Também foram presos um fotógrafo da agência AFP e um colaborador do jornal Vatan.

Segundo o último Relatório de Progresso da União Europeia, cerca de 2.000 pessoas foram detidas na Turquia em várias operações contra o KCK. Na última onda de prisões, que ocorreu em diversas cidades em 1º de novembro, foram detidos uma renomada professora, Busra Ersanli, e um editor e jornalista, Ragip Zarakolu, conhecido por seu ativismo em favor dos direitos humanos. Mais de 700 intelectuais, professores, jornalistas e escritores turcos assinaram um manifesto de protesto pelas prisões.

Ahmet Abakay, presidente da Associação de Jornalistas Progressistas (CGD), declarou que um dos membros da associação está entre os detidos desta terça-feira, e pediu que “a imprensa e os jornalistas protestem”. “Essa opressão contra os jornalistas cria uma atmosfera de medo e autocensura e transforma a Turquia em um país de segunda classe”, afirmou.

As associações de jornalistas informam que 25 jornalistas foram detidos em Istambul e os demais em cidades como Mersin, Diyarbakir, Van, Sirnak – todas elas curdas -, além de Ancara e Esmirna. Entre os alvos da operação estão também as três agências de notícias pró-curdas Etha, Diha e ANF, além do jornal Özgür Gündem.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade