Clique e assine a partir de 9,90/mês

Turim espera a chegada de 1 milhão de pessoas para ver o Santo Sudário

O manto que teria envolvido o corpo de Jesus Cristo ficará exposto ao público por nove semanas no Duomo de Turim, na Itália

Por Da Redação - 18 abr 2015, 16h21

O Santo Sudário, a mortalha que, segundo a Bíblia, teria envolvido o corpo de Jesus Cristo no sepulcro, será exposto ao público a partir deste domingo no Duomo de Turim, na Itália. Um milhão de pessoas já reservaram entrada para ver o manto, uma das mais valiosas relíquias cristãs, que ficará em exposição até 24 de junho. A última exibição do Santo Sudário, em 2010, no mesmo local, atraiu 2,5 milhões de pessoas em um mês.

“A mostra do Santo Sudário é um grande acontecimento de natureza religiosa e civil e receberemos de braços abertos as centenas de milhares de peregrinos que devem chegar durante os próximos 67 dias”, afirmou o prefeito de Turim, Piero Fassino.

Leia também:

Santo Sudário será exposto ao público a partir de abril

Continua após a publicidade

Marcas da crucificação – O pano de linho de quase 4,5 metros de altura e 1,5 metro de largura guarda para os crentes as marcas do corpo de Jesus Cristo depois da crucificação e foi descoberto em meados do século XIV na igreja colegial de Nossa Senhora, em Lirey, perto de Troyes, na França. Há sinais dos ferimentos no peito que seriam correspondentes às pontas das lanças romanas e marcas de machucados que remontam a pequenos halteres – de acordo com os estudiosos, trata-se da flagelação praticada pelos romanos em casos de castigo severo. Há referências também da coroa de espinhos.

Ao longo dos séculos, a autenticidade do tecido foi estudada pelo menos uma dezena de vezes. Nunca houve um veredicto final. O trabalho mais recente resultou no livro O Sinal, do historiador de arte inglês Thomas de Wesselow. No Brasil, ele foi publicado em 2012, pela Cia. das Letras. Depois exaustivas pesquisas, Wesselow chegou a uma conclusão interessante: se não é possível provar que o manto de Turim é a mortalha do corpo de Cristo, também não existem provas conclusivas de que não seja.

Para os apóstolos, o sudário era prova da Ressurreição de Cristo, o sustentáculo da fé cristã. A ressurreição é o significado do domingo de Páscoa. O Vaticano, porém, trata o Santo Sudário como lembrança divina. Sem alardes.

Os papas João Paulo II e Bento XVI já apareceram em ato de veneração ao manto, uma prática religiosa na qual se reverencia uma imagem pelo fato de ela lembrar Deus. O papa Francisco irá visitar o local do manto na próxima segunda-feira. A visitação ao Santo Sudário é gratuita, mas é preciso agendar pela internet (www.sindone.org). As informações do site estão em italiano, francês e em inglês

Continua após a publicidade

(com Agência France-Présse)

Publicidade