Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Turco que atirou em João Paulo II deposita flores em seu túmulo

Mehmet Ali Agca afirmou que "sentia a necessidade de realizar gesto".

Por Da Redação 27 dez 2014, 16h12

O turco Mehmet Ali Agca, que em 1981 atirou contra o então papa João Paulo II, esteve neste sábado no Vaticano para depositar dois ramos de rosas brancas no túmulo do antigo pontífice, segundo informou a imprensa italiana.

Segundo um porta-voz do Vaticano, Ciro Benedettini, a visita surpresa durou apenas alguns minutos. Como não existem pendências legais em relação a Agca, ele tem total liberdade para visitar o Vaticano. Emissoras de TV italianas mostraram um breve vídeo da visita de Agca ao túmulo. É possível ouvi-lo murmurar: “Mil vezes obrigado, santo” e “vida longa a Jesus Cristo”.

Leia também:

Papa Francisco, o diplomata

Cartas do papa Francisco abriram caminho para acordo entre EUA e Cuba

Em 1983, João Paulo II, que havia perdoado Agca, o visitou em uma prisão de Roma. Depois, em 2000, o papa voltou a intervir para pedir que o agressor fosse solto. Agca foi extraditado para a Turquia, pelo assassinato de um jornalista em 1979, e cumpriu mais dez anos de prisão lá.

Após depositar as flores, Agca foi conduzido pela polícia italiana à delegacia romana de Cavour para ser interrogado e ali explicou que “sentia a necessidade de realizar este gesto”.

João Paulo II foi baleado em 13 de maio de 1981 quando, após uma audiência na Praça de São Pedro, cumprimentava os fiéis enquanto andava em um automóvel descoberto. O papa foi atingido por quatro balas e Agca foi detido imediatamente.

Quando Agca foi preso, ele disse que agiu sozinho. Entretanto, depois ele sugeriu que os serviços secretos da Bulgária e da União Soviética planejaram o ataque contra o papa. Por duas vezes júris italianos absolveram três búlgaros e três turcos por suposta participação no crime. Agca já deu diversos depoimentos contraditórios sobre o assunto.

Continua após a publicidade
Publicidade