Clique e assine a partir de 9,90/mês

Turco é condenado a 108 anos de prisão por abusar sexualmente de meninos refugiados

O faxineiro do campo de Nizip, no sudeste da Turquia, foi condenado por violentar oito meninos entre 8 e 12 anos de idade

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 21h06 - Publicado em 3 jun 2016, 18h27

Um faxineiro turco de um campo para refugiados sírios foi condenado a 108 anos de prisão nesta sexta-feira por abusar sexualmente de oito meninos. O caso ressaltou a vulnerabilidade das crianças refugiadas em meio à crise migratória.

O funcionário do campo de Nizip, em Gaziantep, no sudeste da Turquia, abusou de meninos com idades entre 8 e 12 anos durante pelo menos três meses até o início deste ano, noticiou a agência de notícias Dogan. O homem de 29 anos não negou as acusações e disse ainda que muitos funcionários e administradores dos campos estão também envolvidos em casos de abuso. Ele afirmou ter pago entre 0,70 e 1,70 dólar (2,50 e 6 reais) às crianças antes de violá-las nos banheiros.

Leia também:

Quase 90 mil menores buscaram asilo na Europa em 2015

Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se espalhando no Oriente Médio

Continua após a publicidade

Grécia evacua criticado campo de refugiados de Idomeni

Ele foi condenado por violentar oito meninos sírios cujas famílias apresentaram queixas, disse a associação de advogados da região. A mídia local informou que familiares de outras vítimas mantiveram silêncio por medo de serem deportados.

O caso provocou uma revolta generalizada na Turquia, que se vangloria de sua reação humanitária à guerra civil da Síria ao acolher 2,7 milhões de refugiados. O campo de Nizip, que abriga cerca de 14 mil pessoas, foi visitado pela chanceler alemã, Angela Merkel, em abril.

Cerca de um décimo dos refugiados sírios em território turco vivem em campos gerenciados pela Autoridade de Administração de Desastres e Emergências, entidade governamental que, diante do caso, disse estar adotando todas as medidas necessárias para impedir que o incidente se repita.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade