Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Túnel escavado por prisioneiros judeus durante o nazismo é descoberto na Lituânia

A passagem foi encontrada na floresta de Ponar, onde cerca de 100 mil pessoas foram mortas durante o nazismo

Por Da Redação 29 jun 2016, 19h41

Um grupo de arqueólogos descobriu na Lituânia um túnel usado por judeus durante a Segunda Guerra Mundial para escapar de um campo de extermínio nazista. A passagem subterrânea, de 35 metros de comprimento, foi construída há cerca de 70 anos na floresta de Ponar, onde cerca de 100 mil pessoas foram mortas durante o nazismo.

Apesar das incontáveis tentativas de encontrá-lo, o trajeto completo do túnel ainda não havia sido descoberto. Agora, a equipe formada por pesquisadores de Israel, Estados Unidos, Canadá e Lituânia conseguiu localizá-lo usando técnicas de escaneamento do solo, usadas para a exploração de petróleo e na indústria de mineração. A descoberta da passagem reforça os relatos dos sobreviventes que conseguiram usar a galeria para escapar das atrocidades cometidas no local.

Leia também:

Terrorista norueguês promete lutar ‘até o fim pelo nazismo’

Guarda nazista de Auschwitz morre poucos dias antes de seu julgamento

A floresta de Ponar foi usada, entre1941 a 1944, para o extermínio e descarte de corpos de dezenas de milhares de judeus da cidade próxima de Vilna. Prisioneiros do campo de concentração Stutthof, na Polônia, eram usados pelos nazistas para trabalhar na escavação de covas coletivas, no empilhamento de corpos e na coleta de madeira para a incineração.

Foram esses prisioneiros que escavaram o túnel, a partir da prisão onde passavam as noites. Durante uma noite de abril de 1944, o grupo se arrastou pelo túnel até a floresta. Contudo, os guardas descobriram a fuga e perseguiram os prisioneiros. Dos 80 fugitivos, 12 conseguiram escapar e depois contaram suas histórias e indicaram a localização aproximada da passagem.

“Essa descoberta é um testemunho reconfortante da vitória da esperança sobre o desespero. A descoberta do túnel nos permite apresentar não apenas os horrores do Holocausto, mas também o anseio pela vida”, afirmou Jon Seligman, da Autoridade Israelense de Antiguidades, em um comunicado.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)