Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Trump tenta anular processo contra sua própria fundação

Entidade funcionou como braço da campanha eleitoral do republicano em 2016, segundo procuradoria de Nova York

Por Da Redação Atualizado em 31 ago 2018, 19h01 - Publicado em 31 ago 2018, 15h44

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seus três filhos e a fundação que carrega seu nome pediram a anulação de uma ação judicial apresentada pela Procuradoria do Estado de Nova York. A Fundação Donald J. Trump é acusada de realizar “autocontratação” em benefício de Trump, inclusive durante a campanha eleitoral de 2016, e de cometer crimes tributários.

Em documento submetido à corte de Nova York na noite de quinta-feira (30), os réus disseram que o processo da procuradora-geral Barbara Underwood contra a fundação contém “deficiências legais e factuais fundamentais”. Também alegaram motivação política, refletindo a “antipatia” da Procuradoria por Trump.

O pedido do advogado de defesa, Alan Futerfas, se baseia no que chama de “aparência de parcialidade da Procuradoria-Geral de Nova York, no seu grande conflito de interesses e sua consequente falta de disposição para resolver esse assunto sem litígio”.

Entidade beneficente, a Fundação Donald J. Trump teria funcionado como um braço de sua campanha eleitoral, em flagrante violação às leis eleitorais americanas. Emails mostram que o ex-gerente de campanha, Corey Lawandowski, interferia nos gastos da entidade.

A principal acusação é de que a Fundação havia coletado 2,8 milhões de dólares em um evento político no estado de Iowa, em 2016,  a serem supostamente destinados a entidades de veteranos de guerra. O próprio Trump compareceu ao evento.

Amy Spitalnick, porta-voz da procuradora Underwood, reagiu no Twitter: “Como nosso processo detalhou, a Fundação Trump funcionou como um cofre pessoal para servir aos interesses empresariais e políticos de Trump. Não vamos desistir de responsabilizar o presidente Trump e seus sócios por suas flagrantes violações da legislação de Nova York”.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade