Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Trump sugeriu atirar em manifestantes, diz ex-secretário de Defesa

Ocasião citada por Mark Esper em novo livro aconteceu durante protestos pelo assassinato de George Floyd por um policial, em maio de 2020

Por Da Redação 2 Maio 2022, 19h40

O ex-secretário de defesa dos Estados Unidos Mark Esper afirmou em seu novo livro que o ex-presidente americano Donald Trump sugeriu que atirassem em manifestantes antirracismo. Na ocasião, havia protestos nos entornos da Casa Branca pelo assassinato de George Floyd por um policial, em maio de 2020.

“Você não pode simplesmente atirar neles? Apenas atirar nas pernas deles ou algo assim?”, perguntou Trump, de acordo com trecho do livro de Esper, “A Sacred Oath” (Um Juramento Sagrado, em tradução livre), segundo o portal Axios.

A morte de Floyd gerou diversos protestos em massa em todo o território dos Estados Unidos. Alguns acabaram em conflitos com a polícia e mais de dez mil pessoas foram presas, segundo a Associated Press.

O livro de revelações de Esper, que será lançado ao público americano em 10 de maio, já sai da prensa envolvo em polêmicas, à medida que algumas declarações já foram alvo de um processo do Pentágono pelo uso de informações confidenciais. Segundo o Axios, a obra foi revisada por “quase três dúzias de generais de 4 estrelas, civis seniores e alguns membros do Gabinete”

No ano passado, em outro livro, intitulado “Francamente, nós vencemos esta eleição: a história interna de como Trump perdeu”, do jornalista Michael Bender, declarações deste tipo já haviam sido expostas. “Basta atirar neles”, disse Trump, de acordo com o livro de Bender.

O ex-presidente não está em um bom momento com a Justiça dos Estados Unidos. Na semana passada, um juiz de Nova York declarou que Trump cometeu desacato por não apresentar documentos exigidos no inquérito sobre as práticas comerciais de suas empresas. Ele foi multado em 10 mil dólares por dia até que cumprisse a determinação.

A Trump Organization está sob investigação desde 2019, a procuradora-geral de Nova York, Letitia James, alegou ter encontrado “evidências significativas” de fraude, como uso de avaliações de ativos “fraudulentas ou enganosas” para benefícios econômicos, incluindo deduções fiscais e empréstimos.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês