Trump nega problemas na transição, mas enfrenta atritos

O genro e conselheiro próximo de Trump, Jared Kushner, está no centro das "lutas internas" na equipe de transição, informa a 'CNN'

Por Da redação - Atualizado em 16 nov 2016, 09h01 - Publicado em 16 nov 2016, 08h09

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, seguiu nesta terça-feira realizando reuniões para formar a equipe que o acompanhar na Casa Branca, com listas de favoritos cada vez mais repletas de polêmica pelos nomes escolhidos. Na torre de Nova York que leva seu nome e que se transformou no quartel-general da transição, Trump se reuniu com uma série de colaboradores diretos e com políticos com os quais até há pouco tempo mantinha uma forte rivalidade.

Por enquanto, Trump só fez duas nomeações de alto nível, no domingo passado. A chefia de gabinete será assumida pelo presidente do Comitê Nacional Republicano, Reince Priebus. Já o chefe de estratégia e conselheiro sênior será Stephen Bannon. A escolha de Bannon, considerado como uma das vozes mais estridentes da direita radical que apoia Trump, foi muito criticada em círculos políticos e na imprensa, que lembram seus comentários racistas e misóginos feitos no site que dirigia Breitbart.com.

Leia também
Michelle Obama é chamada de “macaca de salto alto” na internet
Trump usou medo dos americanos para se eleger, diz Obama
Neta de Trump vira sensação nas redes sociais da China

Briga em família — O genro e conselheiro próximo de Trump, Jared Kushner, está no centro das “lutas internas” na equipe de transição, reporta a CNN. Kushner, que é casado com Ivanka Trump, tem “pressionado aliados de maneira errada” em seus esforços recentes para purgar a equipe de transição de Chris Christie, governador de New Jersey que ficou apenas dois dias no cargo de chefe da transição. O pai de Kushner foi processado pela então advogada Christie em 2004 por evasão de impostos, manipulação de testemunhas e contribuições ilegais de campanhas.

“Supremacista branco” — O líder democrata no Senado, Harry Reid, acusou Trump de colocar em um posto-chave da futura administração um “campeão dos supremacistas brancos”. “Que mensagem Trump envia a uma moça que acorde temerosa de ser uma mulher negra nos EUA?”, perguntou Reid, se referindo à nomeação de Bannon, que foi elogiado por grupos de extrema-direita do país. “Demostre aos EUA que o racismo, o abuso e a intolerância não tem vez na Casa Branca”, disse Reid, se dirigindo a Trump.

Publicidade

Enquanto isso, seguem aparecendo na imprensa os nomes das pessoas que possivelmente acompanharão Trump quando ele assumir a Presidência dos EUA em janeiro, substituindo o democrata Barack Obama, que deixará o poder após oito anos. Um deles é o ex-prefeito de Nova York, Rudy Giuliani, que pode ser o próximo secretário de Estado ou procurador-geral. O último cargo, porém, parece estar mais longe, segundo o próprio Giuliani disse em um fórum que participou em Washington nesta segunda-feira.

Leia mais
Americanos usam alfinetes para mostrar solidariedade às minorias
Ku Klux Klan marca desfile para comemorar eleição de Trump

Fontes da CNN, no entanto, afirmam que Giuliani terá problemas para assumir a chefia da diplomacia dos EUA pela assessoria que sua empresa deu a uma filial americana da companhia de petróleo da Venezuela, a PDVSA.

Espera-se que nos próximos dias Trump divulgue mais nomes da equipe que o acompanhará. Por enquanto, uma pessoa já rejeitou participar do futuro governo. O pré-candidato presidencial republicano Ben Carson negou qualquer intenção de qualquer acusação oficial na administração do empresário. Outros, por outro lado, como o general reformado Keith Kellogg, que também visitou a Trump Tower, também deixaram claro a disposição de estar na equipe do presidente eleito.

(Com agências EFE e Reuters)

Publicidade