Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Trump diz que não vai mais ser “o cara legal” com Hillary

O candidato republicano à Casa Branca concordou com a plateia, que gritava que Hillary deveria presa por seu uso indevido de e-mail pessoal

Por Da redação 30 jul 2016, 17h06

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que vai lançar mão de todos os meios necessários para derrotar a candidata democrata, Hillary Clinton, na corrida à Casa Branca. “Avisem à Hillary que eu não vou mais ser o cara legal”, comentou, durante um evento de campanha no Estado do Colorado, na sexta-feira.

No comício, o primeiro desde que Clinton foi confirmada como a candidata democrata, Trump também chamou a rival de “negligente” e a acusou de mentir para o FBI (a polícia federal americana). O bilionário concordou com a plateia, que gritava “prendam ela!”, sobre as acusações de que Hillary usou um e-mail pessoal enquanto era secretária de Estado para falar de assuntos de governo.

Leia também:
Campanha de Hillary e comitê democrata foram alvos de hackers
Hillary abre 6 pontos de vantagem sobre Trump
Pai de soldado muçulmano morto em combate confronta Trump

Ao longo da semana, Trump tentou abafar os pedidos de prisão da democrata, ressaltando que seu objetivo é “somente derrotar Hillary na eleição presidencial de 8 de novembro”. Mas quando a multidão voltou a gritar, o candidato enfim cedeu. “Estou começando a concordar com vocês, francamente”, disse ele. “Eu fui legal, mas depois de ver sua performance na Convenção Democrata, aquelas mentiras, eu não tenho que ser mais assim”.

A ex-primeira dama foi investigada pelo FBI acerca de seu e-mail, porém, foi concluído que ela não deveria ser acusada judicialmente, apesar da atitude inadequada. Ainda assim, Trump usou o episódio como argumento contra Clinton em sua campanha e até sugeriu que o governo russo deveria espioná-la para procurar por seus e-mails desaparecidos.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade