Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump diz não saber se conseguirá acordo para acabar paralisação

O orçamento para a construção de um muro na fronteira entre os EUA e o México é o principal motivo de discórdia entre democratas e republicanos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na noite deste sábado, 12, que não faz ideia se conseguirá um acordo com o partido Democrata para encerrar a paralisação parcial da máquina pública federal do governo norte-americano, que já se tornou a maior da história.

A construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México é o principal motivo de discórdia entre democratas e republicanos quanto ao orçamento do governo e provocou o chamado ‘shutdown‘ desde o dia 22 de dezembro do ano passado.

Em entrevista à Fox News, o presidente americano, ao ser perguntado sobre o motivo por não ter declarado situação de emergência – cenário que permitiria obter dinheiro para a construção do muro na fronteira sem a necessidade da aprovação do Congresso -, Trump respondeu que está dando aos parlamentares a chance de “agir com responsabilidade”.

Desde muito antes da votação do orçamento no Congresso, o presidente americano vem fazendo pressão pela inclusão de uma verba bilionária para a construção do muro, promessa de sua campanha eleitoral em 2016. Ele exige que sejam alocados 5,6 bilhões de dólares para a obra.

Os democratas, no entanto, não acreditam na eficácia de um muro no combate ao tráfico e à imigração ilegal e se recusam a incluí-lo no orçamento.

Diante desse impasse, o governo americano está parcialmente fechado, afetando nove dos 15 departamentos de nível de gabinete e dezenas de agências, incluindo os departamentos de Segurança Nacional, Transporte, Interior, Agricultura, Estado e Justiça.

Trump também respondeu à reportagem do jornal The New York Times, segundo a qual foi aberta uma investigação para averiguar se o presidente estava trabalhando para a Rússia contra os interesses dos EUA. “Acho que é a pergunta mais ofensiva que já me fizeram, e acho que é a reportagem mais ofensiva que já escreveram sobre mim”, declarou.

“Se você ler a reportagem, verá que eles não encontraram absolutamente nada”, disse ele na mesma entrevista. Trump afirmou também que nenhum outro presidente foi tão duro com a Rússia quanto ele.

Eleições de 2020

Sobre seus possíveis adversários democratas nas eleições presidenciais do ano que vem, o presidente afirmou que não está preocupado. Questionado sobre um candidato do partido adversário contra quem ele gostaria de concorrer, Trump citou Joe Biden, que foi vice-presidente de Barack Obama. O atual presidente também falou sobre o que ele vê como suas principais conquistas: baixo desemprego, redução de impostos e acordos comerciais. “Como alguém pode vencer isso?”, perguntou.

(Com Estadão Conteúdo)