Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump derruba lei de redução de emissões de gás carbônico de Obama

Medida deve provocar aumento de 900 milhões de toneladas de gases do efeito estufa, retrocedendo no combate à mudança climática

Por Da Redação - 31 mar 2020, 19h06

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reverteu nesta terça-feira, 31, uma legislação de combate às mudanças climáticas adotada por seu antecessor,  Barack Obama. A medida estabelece padrões mais flexíveis de eficiência de combustível para carros e caminhões, favorecendo a indústria do petróleo e gás.

Sob a nova regra, a economia de combustível dos veículos novos precisa aumentar 1,5% ao ano até 2026, chegando a uma média de 40 milhas por galão de combustível (cerca de 17 quilômetros por litro de combustível). A regra anterior, adotada durante o governo democrata, obrigada as montadoras a aumentar a economia de combustível em 5% ao ano, com o objetivo de atingir 54 milhas por galão (23 quilômetros por litro) até 2026.

O padrão Obama já reduziu as emissões de dióxido de carbono em 500 milhões de toneladas desde que foi implementado em 2012 e economizou 86 bilhões de dólares em custos de combustível para os motoristas, segundo dados da própria Agência de Proteção Ambiental (EPA), responsável pela nova lei.

Além disso, segundo o jornal americano Los Angeles Times, do estado da Califórnia – terra do ativismo climático –, espera-se que quase 900 milhões de toneladas a mais de dióxido de carbono sejam liberadas sob a nova regra de Trump. Trata-se do resultado da queima de quase 300 bilhões de litros adicionais de combustível.

Continua após a publicidade

A justificativa para a medida se sustenta na segurança no trânsito, de acordo com o portal The Verge. Segundo o governo Trump, carros novos teriam ficado mais caros à medida que sua eficiência de combustível aumentava, obrigando mais pessoas a comprarem carros usados, que são menos seguros. O governo americano  espera que a nova regra reduza o custo de um veículo novo em cerca de 1.000 dólares, possibilitando a compra de carros mais novos e seguros.

Grupos de ativistas pelo meio ambiente e estados americanos com padrões mais rígidos de proteção ambiental planejam desafiar a legislação. O procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, afirmou nesta terça-feira que o governo Trump está “enfraquecendo os padrões de saúde e segurança de nosso país” e alertou para as consequências da flexibilização para as montadoras.

O LA Times reportou que ambientalistas e profissionais da saúde disseram que a mudança contribuiria para milhares de mortes prematuras e ataques de asma, cenário ainda mais temerário devido à atual pandemia do novo coronavírus, que ataca as vias respiratórias. Nos Estados Unidos, há cerca de 183.532 casos confirmados e 3.727 mortos pela doença.

Publicidade