Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump confirma que não irá cooperar com investigação do impeachment

Posicionamento veio após presidente ter bloqueado o depoimento do embaixador Gordon Sondland, considerado testemunha-chave do caso

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou nesta terça-feira que não planeja cooperar na investigação sobre o processo de impeachment aberto pelo Congresso.

O advogado da Casa Branca, Pat Cipollone, enviou em nome de Trump uma carta à presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, na qual explica a posição que o presidente irá adotar no processo que apura se houve pressão sobre a Ucrânia para investigar o ex-vice-presidente Joe Biden.

“Dado que a investigação carece de qualquer base constitucional legítima, de qualquer pretensão de justiça e das proteções ao devido processo mais elementares, não se pode esperar que o Executivo participe dela”, escreveu Cipollone no documento.

“O presidente Trump não pode permitir que seu governo participe desta investigação partidária sob essas circunstâncias”, acrescentou o advogado.

A carta poderia dar munição à parte da oposição, que já insinua que Trump pode sofrer impeachment não só por pressionar a Ucrânia, mas também por não permitir que a investigação do caso avance. Para alguns dos democratas, a falta de cooperação da Casa Branca pode ser encarada como uma tentativa de obstrução à Justiça.

O documento foi divulgado horas depois de Trump ter bloqueado o depoimento do embaixador dos EUA na União Europeia (UE), Gordon Sondland, considerado como uma das testemunhas-chave do caso.

Por esse motivo, a carta seria uma espécie de confirmação de que o bloqueio não foi isolado e que a Casa Branca planeja não cooperar com a investigação, uma postura que já tinha sido antecipada pelo advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani.

Para negar as convocações feitas pelos democratas, a Casa Branca argumenta que as investigações foram abertas antes de o processo de impeachment ser aprovado no plenário da Câmara de Representantes.

Além disso, o governo acusa a oposição de negar a Trump o direito ao devido processo, já que os advogados do presidente não puderam até o momento chamar testemunhas para defendê-lo.

“(Essa investigação) viola a Constituição, a legalidade e todos os precedentes do passado”, afirmou o advogado da Casa Branca.

Cipollone se mostrou aberto a mudar de postura se os democratas alterarem os “parâmetros” da investigação, mas evitou definir uma condição clara que levaria Trump a começar a cooperar com o Congresso.

Além de Pelosi, a carta também foi enviada aos presidentes dos comitês mais envolvidos na investigação contra Trump, os de Inteligência, Relações Exteriores e Supervisão, liderados respectivamente pelos democratas Adam Schiff, Eliot Engel e Elijah Cummings.

(Com EFE)