Clique e assine com até 92% de desconto

Trump confirma juíza conservadora para a Suprema Corte

A escolha de Amy Coney Barrett foi anunciada pelo presidente americano neste sábado; a escolhida terá que ser aprovada ainda pelo Senado

Por Da Redação Atualizado em 26 set 2020, 19h33 - Publicado em 26 set 2020, 18h16

O presidente americano Donald Trump anunciou oficialmente, neste sábado, 26, a nomeação da juíza conservadora Amy Coney Barrett para ocupar a cadeira da Suprema Corte deixada em aberto pelo falecimento de um ícone liberal, a juíza Ruth Bader Ginsburg. Barrett foi confirmada por Trump durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington.

ASSINE VEJA

A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
Clique e Assine

Na análise de especialistas americanos, a nomeação de Barrett, conhecida por suas posições antiaborto, é uma forma de Trump satisfazer os apoiadores evangélicos em meio ao processo eleitoral em que o presidente busca a reeleição. Ou seja, Trump está tentando reagrupar a base conservadora do eleitorado. Atualmente, está atrás de Joe Biden, o candidato democrata, em todas as pesquisas eleitorais.

De acordo com o jornal The New York Times, várias pessoas próximas ao processo de escolha do novo juiz da Suprema Corte disseram que Trump não estava ouvindo os conselhos para considerar o nome de uma juíza da Flórida, Barbara Lagoa, que foi confirmada em uma votação bipartidária e que poderia apelar aos eleitores latinos de que também o presidente precisa. Mas Trump acabou nomeando mesmo Barrett.

  • A escolhida para a Suprema Corte precisa ainda ser aprovada por maioria simples no Senado americano. Barrett, de 48 anos, é católica praticante, tem sete filhos, dois deles adotados no Haiti e um com síndrome de Down. Se for aprovada pelo Senado, poderá ficar no cargo até sua morte, ou seja, Trump está garantindo uma forte presença conservadora por décadas na Suprema Corte.

    A mesma discussão ganhará força no Brasil, nas próximas semanas, com o anúncio da saída antecipada de Celso de Mello do Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro prometeu que iria nomear alguém “terrivelmente evangélico” para o cargo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade