Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump ataca Obama após ter criticado sua resposta à Covid-19

Ex-presidente diz ser um `absoluto desastre' a ação da Casa Branca contra a pandemia; país tem mais de 1,4 milhão de casos confirmados e 90.000 mortes

Por Da Redação - Atualizado em 18 Maio 2020, 17h02 - Publicado em 18 Maio 2020, 16h31

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou no domingo 17 o seu antecessor na Casa Branca, Barack Obama, menos de 24 horas após o democrata ter feito críticas à sua gestão da crise da Covid-19 no país. Os Estados Unidos são o epicentro da pandemia, respondendo por mais de 30% de todos os casos da doença no mundo.

“O governo Obama está mostrando ter sido um dos mais corruptos e incompetentes da história dos Estados Unidos. Lembre-se: ele e Sleepy Joe [como Trump se refere ao ex-vice-presidente Joe Biden] são as razões de eu estar na Casa Branca”, tuitou o presidente no final da tarde do domingo.

A acusação de corrupção, que não foi explicada no tweet, provavelmente faz referência a uma teoria promovida pelo presidente em seu perfil no Twitter segundo a qual Obama e Biden teriam ilegalmente promovido uma tentativa de condenação de Trump ao investigar a interferência da Rússia nas eleições americanas de 2016.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

O secretário de Justiça, William Barr, disse nesta segunda-feira acreditar que nem Obama nem Biden, que é o candidato do Partido Democrata nas eleições presidenciais de novembro, serão processados criminalmente pela acusação de abuso de poder na investigação da interferência russa em 2016. “Não acredito que o trabalho de Durham leve a uma investigação criminal de ambos os homens [Obama e Biden]”, disse Barr nesta segunda-feira.

Continua após a publicidade

A provocação de Trump se deu menos de um dia após Obama tê-lo criticado em uma cerimônia virtual com estudantes universitários por sua resposta à crise da Covid-19 nos Estados Unidos, que contabilizam mais de 1,4 milhão de casos confirmados e cerca de 90.000 mortes, segundo o jornal The New York Times. O Times estima que mais de 4,7 milhões de pessoas contraíram a Covid-19 em todo o mundo. Dentre elas, pelo menos 316.000 morreram.

“Mais do que tudo, essa pandemia finalmente desmentiu essa ideia de que tantas pessoas que estão no comando sabem o que estão fazendo. Muitas delas nem sequer fingem estar no comando”, disse Obama, que já havia chamado a resposta do governo americano à Covid-19 de “um absoluto desastre caótico”. O ex-presidente, porém, teve o cuidado de não indicar nomes.

Continua após a publicidade

Romney

Além do ex-presidente, o senador republicano Mitt Romney também foi alvo de ataques de Trump no início desta semana. Em uma postagem em seu Twitter nesta segunda-feira, o presidente o chamou de “perdedor”, em referência às eleições presidenciais de 2012, na qual Obama conseguiu a reeleição na disputa contra Romney.

Romney, que foi o único senador republicano a votar pela remoção de Trump da Presidência no processo de impeachment de fevereiro por abuso de poder no escândalo da Ucrânia, é um dos principais críticos do presidente dentro do Partido Republicano.

Continua após a publicidade

O senador criticou a demissão na sexta-feira 15 de Steve Linick, então Inspetor Geral responsável pela investigação de possíveis fraudes fiscais no Departamento de Estado americano.

Além de Linick, Trump já havia feito trocas de Inspetores Gerais no Departamento de Saúde, em maio, e no Departamento de Defesa e na Comunidade de Inteligência, em abril.

“As demissões de vários Inspetores Gerais não têm precedentes; fazê-las sem justa causa põe em dúvida a independência essencial ao propósito [dos Inspetores Gerais]. É uma ameaça à democracia responsável e uma fissura no equilíbrio constitucional de poder”, tuitou Romney no sábado.

Publicidade