Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump ataca manifestantes no Twitter. E depois muda de tom

O presidente eleito criticou manifestantes no Twitter e depois voltou atrás. Ainda é incerto se ele usará a rede social quando assumir a Casa Branca

Por Da redação - 11 nov 2016, 12h16

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, exibiu duas versões diferentes de si mesmo em menos de 10 horas: uma na noite de quinta-feira e outra nesta sexta, em mais uma indicação de sua instabilidade propalada críticos, que o acusam de ter uma personalidade volátil.

“Acabei de passar por uma eleição presidencial muito aberta e bem-sucedida. Agora, manifestantes profissionais, incitados pela mídia, estão protestando. Muito injusto!”, escreveu no Twitter. A postagem marcou a primeira vez que o republicano disse algo parecido com um ataque desde a sua vitória, levando alguns a pensar o que ele pode tentar com aqueles que discordarem de suas posições quando for presidente.

Leia também
Trump quer reduzir impostos e alterar seguro-saúde
Na Casa Branca, Trump diz que vai pedir conselhos a Obama
Mulheres de hijab são atacadas por apoiadores de Trump nos EUA

Mas então, dez horas depois, Trump, provavelmente aconselhado por seus assessores, revelou um tom bastante diferente ao discutir sobre os manifestantes, que protestam em cidades ao redor dos Estados Unidos contra a sua eleição. “Amando o fato de que grupos pequenos de manifestantes, durante a noite de ontem, demonstraram paixão pelo nosso grande país. Nós todos vamos se unir e ter orgulho!”, afirmou em uma postagem mais sensata, já que a campanha terminou, ele venceu e tem amissão de unificar o país e não dividi-lo ainda mais.

Ainda é incerto se Trump continuará usando o Twitter como presidente. Ele é muito apegado a esta rede social e a usou frequentemente durante a campanha. Sua equipe, porém, o proibiu de postar nos dias anteriores à eleição.

Continua após a publicidade

Leia mais
Taylor Swift teve a foto mais curtida das eleições no Instagram
Revista distribui capa de ‘Hillary presidente’ por engano 

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade