Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump assina novo decreto anti-imigração

O novo veto não inclui os iraquianos na lista de cidadãos proibidos de entrar nos Estados Unidos

O presidente Donald Trump assinou nesta segunda-feira a nova versão de seu controverso decreto anti-imigração que proibirá a entrada de cidadãos de seis países de maioria muçulmana nos Estados Unidos. A nova ordem entrará em vigor no dia 16 de março e substituirá o veto emitido em 27 de janeiro e bloqueado por uma decisão judicial.

O decreto proíbe a emissão de vistos para cidadãos do Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen por 90 dias. O Iraque não faz mais parte da lista, já que, segundo funcionários do governo americano, o Executivo iraquiano assegurou que irá colaborar com o Departamento de Imigração dos EUA.

O governo do Iraque se comprometeu a melhorar os padrões de documentação de seus cidadãos que viajam aos EUA e a executar no “tempo oportuno” os processos de repatriação de seus nacionais com ordens de deportação nos Estados Unidos.

O decreto assinado nessa segunda-feira também não proíbe mais exclusivamente a entrada de refugiados sírios no país. A ordem, no entanto, suspende o programa de refugiados dos EUA por 120 dias.

O secretário americano de Estado, Rex Tillerson, afirmou que o novo veto imigratório é vital para fortalecer a segurança nacional dos Estados Unidos. “A ordem executiva assinada pelo presidente para proteger a nação da entrada de terroristas estrangeiros é uma medida vital para fortalecer nossa segurança nacional”, afirmou o chefe da diplomacia americana.

A ordem não influenciará a validade de vistos e permissões de residência concedidas antes de 16 de março.  Segundo o Departamento de Estado americano, os vistos revogados por conta do veto original, de janeiro, também já foram totalmente restaurados.

As mudanças no decreto, que motivou protestos pelo país e foi barrado na Justiça, têm como fim reforçar os procedimentos de segurança e assegurar que as pessoas que pedem asilo não são uma ameaça para a segurança dos americanos. A ordem revisada estava originalmente prevista para ser divulgada na última semana, mas foi adiada devido à boa repercussão do discurso de Trump no Congresso, em 26 de fevereiro.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ricardo Andreucci

    A fundamentaçao deste novo decreto é o mesmo que o anteriormente barrado pela justiça. Ou seja, a justificativa é muito frágil. Deverá ser barrada de novo.

    Curtir

  2. E cadê a proibição da Arábia Saudita a maior fornecedora de terroristas?? Ah aí não, veja bem, a gente depende do petróleo deles, a gente tem negócios lá, a gente já faz vista grossa ao desrespeito dos direitos humanos lá.

    Curtir

  3. Quando é que esse falastrão vai começar a governar de verdade? Pelo visto não tem muito o que fazer na Casa Branca a não ser criar mentira, twitar e pentear as madeixas douradas.

    Curtir

  4. Hattori Hanzo

    Acima os comentários dos Três Patetas.
    Vocês acompanham o que acontece no Brasil?

    Curtir

  5. Flávio Lagoas

    Não seria mais fácil orientar as embaixadas e consulados dos EUA nos países de maioria muçulmana a negar o visto ? E a Arábia Saudita, por que não está na lista ?

    Curtir

  6. José Carlos Lopes de Oliveira

    Boa, Hattori Hanzo. Até parece que moram num paraíso de decência, justiça impecável e políticos honestos.

    Curtir

  7. O cara está CERTÍSSIMO!
    E quem não concorda, que leve o goleiro FACÍNORA bruno para morar em casa. (mas não deixe ele “brincar” com os cachorros nem com suas filhas. Vai que… né?)

    Curtir