Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trump assina lei que fixa meta para Nasa enviar humanos a Marte

A agência espacial americana não enfrentará os mesmos cortes que outras agências científicas e médicas, que devem perder grandes porções de seu orçamento

Por Da redação
Atualizado em 4 jun 2024, 18h29 - Publicado em 21 mar 2017, 19h50

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta terça-feira uma lei que repassa 19,5 bilhões de dólares (60 bilhões de reais) à Nasa, reforçando o plano da agência espacial americana de enviar seres humanos para Marte até 2030.

Trump disse estar “encantado” em sancionar a lei em cerimônia no Salão Oval da Casa Branca, onde estava acompanhado dos congressistas que elaboraram o projeto, do vice-presidente do país, Mike Pence, e das autoridades da Nasa. “Há seis décadas, o trabalho da Nasa inspirou milhões e milhões de americanos a imaginar mundos distantes e um futuro melhor aqui na Terra”, disse Trump. “Essa lei reafirma nosso compromisso nacional com a missão central da Nasa: exploração do espaço e ciência e tecnologia espaciais.”

O presidente também citou a importância da transição das atividades de exploração espacial para o setor privado. Em 2011, a Nasa encerrou os voos de suas naves espaciais e, desde então, depende da Rússia para levar astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS). “Empresas do setor comercial e do privado vão usar essas facilidades [da Nasa], e eu espero que eles nos paguem muito dinheiro, porque eles vão fazer grandes progressos”, disse o presidente americano.

Atualmente, várias empresas privadas, entre elas a Boeing e a SpaceX, estão trabalhando para realizar missões tripuladas para levar os astronautas americanos à ISS sem depender de outros países.

Por outro lado, Trump ressaltou que a lei sancionada nesta terça-feira apoia as atividades de exploração do espaço profundo (além da órbita da Terra). De fato, o texto fixa como objetivo de longo prazo enviar humanos à superfície de Marte até 2030.

Após assinar a lei, Trump recebeu de presente dos representantes da Nasa uma jaqueta de astronauta.

Continua após a publicidade

Em outubro do ano passado, o então presidente do país, Barack Obama, afirmou que os EUA estavam no caminho certo no setor espacial, com a cooperação entre o governo e investidores privados, para conseguir chegar a Marte na data estabelecida.

Cortes

A NASA não enfrentará os mesmos cortes que outras agências científicas e médicas, que podem perder grandes fatias de seu orçamento sob a proposta do presidente, apresentada na semana passada. De acordo com a proposta, a agência de proteção ambiental e agências que tradicionalmente recebem apoio bipartidário, terão cortes significativos de orçamento. Conforme reportou o jornal Washington Post, o National Institutes of Health (NIH), órgão americano de pesquisas médicas, perderia 6 bilhões de dólares (quase 20 bilhões de reais), o que representa um quinto do orçamento do NIH.

(Com EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.