Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Trump anuncia que EUA buscará restabelecer sanções contra o Irã na ONU

Mesmo após ter tirado os Estados Unidos do acordo nuclear, o presidente quer acionar seus mecanismos para punir Teerã

Por Da Redação 20 ago 2020, 10h56

Os Estados Unidos buscam reativar as sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o Irã e o Conselho de Segurança deverá ser notificado, anunciou na quarta-feira 19 o presidente Donald Trump. O movimento, porém, ocorre após uma votação no Conselho ter barrado a ampliação do embargo de armas contra Teerã.

“Vou pedir ao secretário de Estado, Mike Pompeo, que notifique o Conselho de Segurança da ONU que os Estados Unidos querem restabelecer todas as sanções das Nações Unidas contra o Irã que estão suspensas”, anunciou Trump aos jornalistas na Casa Branca.

Pompeo viajará até Nova York, onde fica a sede da ONU, para ativar o mecanismo. No entanto, Reino Unido, França e Alemanha já advertiram que os Estados Unidos não têm direito de invocar este procedimento. O acordo nuclear com o Irã, do qual a Casa Branca se retirou em março de 2018, prevê a reativação do embargo caso Teerã descumpra o texto e aumente sua capacidade nuclear.

“Meu governo não permitirá que esta situação nuclear no Irã continue”, acrescentou Trump. Apesar de não integrarem mais o acordo, os Estados Unidos tentam ativar os mecanismos de punição do texto. Washington sustenta que como “participante” do acordo original, em 2015, tem o poder de voltar a impor as sanções das Nações Unidas de forma unilateral.

Trump sempre denunciou o acordo como o pior já feito na história. Desde a saída americana e volta das sanções unilaterais de Washington, que estrangularam a economia iraniana, Teerã voltou a enriquecer urânio acionando uma das cláusulas do texto de 2015, que dá esse direito ao país caso um dos outros signatários não cumpra com o acordo, no caso, os Estados Unidos.

A diplomacia dos Estados Unidos, porém, está isolada. Enquanto a Inglaterra, França e Alemanha buscam manter o acordo com o Irã ao criarem mecanismos para driblarem as sanções, China e Rússia buscam o isolamento americano ao defenderem o multilateralismo, avalia Richard Gowan, analista no centro de estudos Crisis Group.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês