Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump adverte Coreia do Norte que não está de “brincadeira”

Ao lado da alemã Angela Merkel, na Casa Branca, o presidente americano diz que não repetirá erros de governos anteriores nem será manipulado por Pyongyang

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou há pouco que “não está de brincadeira” quando se trata da aproximação de seu país com a Coreia do Norte. Trump se disse encorajado pelo encontro histórico entre os líderes da Coreia do Norte e da Coreia do Sul nesta sexta-feira. Mas acrescentou que não repetirá os “erros” dos governos anteriores ao seu e manterá a pressão sobre Pyongyang até que ocorra a desnuclearização.

“Os Estados Unidos têm agido lindamente, como um violinista, porque você tem agora um tipo diferente de líder. Nós não estamos de brincadeira”, afirmou à imprensa, pouco antes de se reunir com a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, na Casa Branca.

“Na busca por esse objetivo, não iremos repetir os erros de governos passados. A pressão máxima irá continuar até ocorrer a desnuclearização. Estou animado para nosso encontro”, disse Trump.

Veja também

Trump desejou sucesso para as negociações entre as duas Coreias. Porém, não escondeu sua cautela sobre os próximos passos da relação entre Seul e Pyongyang, diante do fracasso das tentativas anteriores de aproximação, pacificação e até mesmo de unificação dos dois países.

Conforme destacou, desta vez Washington não será “manipulada” e não permitirá que, uma vez firmado um acordo de desnuclearização, a Coreia do Norte volte atrás.

“Os Estados Unidos foram manipulados porque tinham um tipo diferente de líder. Nós não seremos manipulados, e espero que alcancemos um acordo”, disse já no Salão Oval.

Divergências

Disse ainda que dois ou três lulares estão sendo considerados para seu encontro com Kim, que se dará entre o final de maio e o início de julho. Mas advertiu que quer “alcançar uma solução” nessa reunião. “Se não, deixaremos a sala. Com o maior respeito, deixaremos a sala”, garantiu.

Washington e Pyongyang parecem entusiasmados com o encontro entre seus líderes, mas a retórica utilizada pelos dois é divergente, segundo o jornal Washington Post.  Trump insiste que um entendimento com Kim deverá incluir a “eliminação” de todas as armas nucleares em mãos do governo norte-coreano. Ao referir-se à “desnuclearização da península”, Pyongyang demanda também a retirada total das bases americanas na Coreia do Sul.

Nesta sexta-feira, mais cedo,  Trump saudou o encontro histórico entre os presidentes das duas Coreias na Zona Desmilitarizada, que divide a península. Também agradeceu ao presidente da China, Xi Jinping, a quem chamou de “meu bom amigo, pelo apoio diplomático para pôr fim às tensões na península coreana.

“Por favor não nos esqueçamos da grande ajuda que meu bom amigo, o presidente Xi (Jinping) da China, deu aos Estados Unidos, particularmente na fronteira com a Coreia do Norte. Sem ele, o processo teria sido muito mais longo e duro!”, afirmou Trump, que até então havia se esquecido de mencionar a contribuição de Pequim.

(Com Reuters)

 

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. caroline de oliveira mesquita

    Adoro quando a mídia esquerdista tem que noticiar os triunfos do Trump kkkkkk

    Curtir