Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump: 100% disposto a testemunhar contra Comey

"Eu mal conheço o sujeito, eu não diria a ele 'Você tem que jurar lealdade'. Quem faria isso?", disse o presidente americano sobre o ex-diretor do FBI

Por Da redação - 9 jun 2017, 17h54

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, negou nesta sexta-feira que tenha pedido ao então diretor do FBI, James Comey, que encerrasse uma investigação sobre seu ex-assessor de segurança nacional Michael Flynn. “Eu não disse isso”, afirmou Trump durante entrevista coletiva ao lado do presidente da Romênia, Klaus Iohannis. Questionado por um repórter, o presidente americano afirmou que estaria “100%” disposto testemunhar sob juramento, caso fosse necessário. “Eu mal conheço o sujeito, eu não diria a ele ‘Você tem que jurar lealdade’. Quem faria isso?”, questionou Trump, contradizendo a versão de Comey sobre as conversas.

Comey falou ao Comitê de Inteligência do Senado americano na quinta-feira, quando deu sua versão de que Trump teria pedido lealdade e também que ele “deixasse para lá” uma investigação sobre Flynn. O então diretor do FBI teria se sentido coagido pelo presidente a arquivar o caso. Comey acabou demitido pelo republicano no início de maio e o caso veio à tona após o vazamento de um memorando do FBI. Ontem, Comey admitiu que atuou para vazar o documento e disse que Trump mentiu sobre os motivos da demissão.

Outro ex-diretor do FBI, Robert Mueller, foi nomeado pelo Departamento de Justiça para investigar a suposta interferência da Rússia na corrida presidencial do ano passado. Perguntado, Trump disse hoje que estaria totalmente confortável em confirmar a Mueller sua versão. “Não há nenhum conluio [com a Rússia], nenhuma obstrução de Justiça e Comey vazou as informações”, afirmou o presidente americano. “Parte do depoimento de Comey não foi verdadeira, mas ele mostrou que não há conluio.”

Romênia 

Trump também comentou sobre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), e elogiou a Romênia por ter elevado seus gastos com defesa e por ser um dos principais contribuintes de tropas da aliança para o Afeganistão. Trump afirmou que está “absolutamente comprometido” com o Artigo 5 da Otan, que estabelece que cada país colabore para a defesa dos demais.

Continua após a publicidade

Trump disse ainda que os Estados Unidos “obviamente” apoiam a luta contra a corrupção na Romênia e que o atual presidente do país tem feito avanços. “Há muitos investidores agora mesmo indo para a Romênia”, afirmou o presidente. “Isso mostra um progresso muito grande”, comentou.

Sobre a agenda política interna, Trump disse que continua com seu plano de “fazer a América mais forte”, mas que precisa de dinheiro para isso. O governo do republicano tenta avançar com sua agenda no Legislativo, para aprovar reformas que segundo a Casa Branca podem impulsionar a economia.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade