Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Trípoli reforça segurança em dia de luto nacional

Primeiro-ministro do Líbano pede cinco minutos de silêncio em solidariedade aos 45 mortos em dois atentados contra mesquitas, na sexta

Por Da Redação 24 ago 2013, 13h10

O Líbano enterra, neste sábado, as vítimas de um duplo atentado com carro bomba contra duas mesquitas sunitas de Trípoli, no Norte do país. O ataque, na sexta-feira, foi considerado o mais sangrento desde o final da guerra civil no Líbano (1975-1990). O primeiro ataque atingiu a mesquita de al-Taqwa, onde muçulmanos terminavam as orações. Cinco minutos depois, houve nova explosão no distrito de Mina. No total, ao menos 45 pessoas morreram e 280 estão hospitalizadas.

O primeiro-ministro, Najib Mikati, decretou luto nacional e pediu aos libaneses para permanecerem em silêncio durante 5 minutos, onde estiverem, às 11h (6h de Brasília), em solidariedade às famílias das vítimas e em oposição ao terrorismo.

Leia mais:

Leia mais: Explosões matam ao menos 42 em Trípoli, no Líbano

Diante do temor de novos ataques, o exército libanês multiplicou suas patrulhas em Trípoli, enquanto homens civis e militares se encontram a postos na frente das mesquitas, próximos às sedes dos partidos políticos e das casas de deputados e autoridades religiosas. As forças de segurança detêm e inspecionam veículos suspeitos.

A movimentada capital do norte está com as ruas desertas, pouca circulação de moradores e com o comércio fechado. As lojas estão protegidas por barras metálicas.

Algumas pessoas se aproximam dos locais das explosões, onde o Exército retira os restos de carros queimados. “Procuro o marido da minha irmã. Este é o seu carro”, afirmou nervoso Mohamed Khaled, de 38 anos, apontando um veículo danificado. Muitos corpos carbonizados ou em mal estado ainda não puderam ser identificados, segundo os serviços de segurança.

Continua após a publicidade

A dupla explosão aconteceu uma semana após outro atentado causar 27 mortes em um reduto do movimento xiita Hezbollah, no sul de Beirute. A onda de atentados pode exacerbar as tensões religiosas no Líbano, que também está dividido entre os partidários e detratores do regime de al-Assad. Trípoli é regularmente palco de enfrentamentos entre sunitas, que apoiam em sua maioria os rebeldes sírios, e os alauítas (um braço do xiismo), favorável a al-Assad.

A Coalizão nacional síria acusou o regime sírio de estar por trás dos atentados no Líbano e do perpetrado no sul de Beirute. E considerou os ataques como “um projeto de dissidência” para “provocar um conflito odioso que levaria a região à destruição e ao caos”, disse em um comunicado.

O Hezbollah, que combate ao lado das tropas do regime sírio, é acusado por seus rivais no Líbano de afundar o país em uma onda de violência.

(Com AFP)

LEIA TAMBÉM:

Israel bombardeia sul do Líbano em resposta a ataque

Conflitos entre sunitas e alauítas matam quatro no Líbano

Continua após a publicidade
Publicidade