Clique e assine a partir de 9,90/mês

Tribunal israelense nega pedido para adiar julgamento de Netanyahu

O premiê é investigado por suborno, fraude e quebra de confiança em três casos diferentes; sessão está prevista para 17 de março

Por Da Redação - 10 mar 2020, 14h40

Um tribunal de Israel rejeitou nesta terça-feira, 10, o pedido do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para adiar o início de seu julgamento por corrupção, previsto para 17 de março.

Com a negativa da Justiça israelense, a audiência ocorrerá dentro do período em que o Knesset, como é conhecido o Parlamento israelense, negocia a formação de um novo governo após as eleições de 2 de março — após dois outros pleitos inconclusivos nos últimos 11 meses. Netanyahu, que está no poder há 10 anos seguidos, corre o risco de perder seu mandato.

Os advogados de Netanyahu — o primeiro chefe do Executivo israelense acusado durante seu mandato — pediram ao tribunal que adiasse o início do julgamento por 45 dias, porque não receberam todo o material processual.

“A próxima audiência será apenas para ler” as acusações, indicou a decisão do tribunal. “A resposta a essas acusações pelo réu não é necessária nesta fase”, acrescentou a corte.

Continua após a publicidade

O premiê está sendo investigado por suborno, fraude e quebra de confiança em três casos diferentes. Se Netanyahu for condenado, ele ainda poderá apelar da decisão. O veredito final pode levar anos para ser publicado.

Após as eleições de 2 de março, nenhuma coalizão recebeu a maioria de votos necessária para nomear um primeiro-ministro e formar um governo. O bloco de direita de Netanyahu foi o mais votado, mas não tem os 61 assentos necessários para governar. A oposição, encabeçada pelo ex-chefe do Estado maior Benny Gantz, do Partido Azul e Branco, também não teve sucesso na tarefa.

Enquanto nenhum governo é formado, Netanyahu mantém o cargo de primeiro-ministro de forma interina. Deputados em Israel não gozam de imunidade parlamentar, nem mesmo o primeiro-ministro.

(Com AFP)

Publicidade