Clique e assine com até 92% de desconto

Trem-bala chinês está fora do prazo. Sairá um ano antes

Linha rápida de Pequim a Xangai deve estrear no próximo mês de junho

Por Da Redação 4 jan 2011, 08h08

Enquanto as negociações para financiar e construir o primeiro trem-bala do Brasil se arrastam, transformando o bilionário projeto numa incógnita, a China se prepara para inaugurar a linha férrea de alta velocidade entre suas principais cidades, Pequim e Xangai. De acordo com anúncio feito nesta terça-feira pelo governo chinês, a obra não será inaugurada no prazo previsto inicialmente. Atraso no projeto? Não: o trem chinês começará a funcionar um ano antes do que fora prometido.

Considerada uma obra fundamental para o desenvolvimento econômico da China, a linha de trem rápido será inaugurada em junho de 2011, informou nesta terça o ministro de Ferrovias do país, Liu Zhijun. A nova linha entre Pequim e Xangai se estende por 1.318 quilômetros e teve investimento total de cerca de 32,5 bilhões de dólares. Com ela, será possível viajar entre as duas grandes metrópoles chinesas em apenas cinco horas – nos trens atuais, o percurso é feito em cinco horas.

A construção da linha começou em abril de 2008 e por ela já circulam trens em fase de testes. No mês passado, um deles bateu o recorde mundial de velocidade em transporte ferroviário, alcançando 486 quilômetros por hora. O ministro das Ferrovias avisou que a rede de alta velocidade do país alcançou 8.358 quilômetros em 2010. Esse número pode chegar a 13.000 quilômetros em 2011 e a 16.000 em 2015. No total, a rede de trens da China soma 91.000 quilômetros de trilhos.

Os trens são o meio de comunicação preferido dos chineses para viagens de longa distância. No ano passado, a malha ferroviária transportou 1,68 bilhão de passageiros no gigante asiático. Em mais alguns anos, a China deverá somar mais quilômetros de linhas de alta velocidade que toda as redes do resto do mundo somadas. O país já exporta este tipo de tecnologia para mercados como os Estados Unidos, onde os chineses já têm contrato para fazer uma linha na Califórnia.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade